PUBLICIDADE

Depois da neve, Sul do Brasil tem muita geada

Condições para nevar deixam de existir no decorrer desta quinta-feira com afastamento do ciclone extratropical

29 jul 2021 05h45
ver comentários
Publicidade

Nevou e nevou muito no Sul do Brasil durante a quarta-feira, 28 de julho de 2021. Alguns locais tiveram só a chuva congelada, mas em Gramado, por exemplo, o cenário era de inverno europeu, de tanta neve que foi se acumulando sobre as árvores, os carros e telhados   Por lá teve uma nevasca de verdade! Por volta das 21h30, pelo menos 43 municípios na Região Sul do Brasil já haviam registrado alguma precipitação de inverno como neve,  chuva congelada e até nevasca.

O episódio de neve no dia 28 de julho foi o terceiro de 2021 e o que foi previsto com mais confiabilidade. Desta vez nevou também em cidades de menor altitude na serra gaúcha, como Gramado e Caxias do Sul. Os registros de neve ou chuva congelada também foram observados em cidades do planalto gaúcho e catarinense, na região da campanha, no sul do Rio Grande do Sul. 

O aeroporto de Bagé registrou neve e os meteorologistas receberam o código -SNRA (SN de snow e RA de rain, do inglês). Isto ocorreu às 16h do dia 28/7/2021 e a temperatura era de apenas 3°C!

METAR SBBG 281900Z 21023KT (21043KMH) 9000 -SNRA OVC020 03/02 Q1021

Confira a lista de municípios que registraram algum tipo de precipitação de inverno, até 23h30 de 28/7/2021

.

Rio Grande do Sul

Água doce - chuva congelada

Arvorezinha - neve à noite

Bagé - neve

Barão do Triunfo - chuva congelada

Bento Gonçalves - neve

Bom Jesus - neve

Caçapava do Sul - neve e chuva congelada

Canela - neve

Canguçu - chuva congelada

Carlos Barbosa - neve

Caxias do Sul - neve/chuva congelada

David Canabarro - chuva congelada

Farroupilha - neve

Garibaldi - chuva congelada/neve

Gramado - neve

Herval - neve

Ibirubá - chuva congelada

Itaara - chuva congelada

Júlio de Castilhos - chuva congelada

Lavras do Sul - chuva congelada (enviado pela RBS)

Marau - neve

Morro Redondo - chuva congelada e graupel

Muliterno - neve e chuva congelada

Nova Alvorada - neve

Nova Petrópolis - chuva congelada

Nova Prata - neve

Passa Sete - neve

Pelotas - neve/chuva congelada

Pinheiro Machado-RS - neve com chuva congelada hoje de manhã

Piratini - neve

Progresso - chuva congelada

Rio Grande - chuva congelada

Santa Maria do Herval - neve

São Francisco de Paula - neve

São Francisco do Sul - neve

Sobradinho - neve

Soledade - neve

Tapes - chuva congelada

Tupanciretã - chuva congelada

Paraná

Araruna-PR - chuva congelada hoje de manhã.

Pitanga-PR - chuva congelada hoje de manhã

Telêmaco Borba-PR - chuva congelada hoje de manhã

Santa Catarina 

São Joaquim - neve

Lages - neve

Urubici - neve na noite do dia 28/7 e início de madrugada de 29/7

O ciclone da neve

A neve é uma precipitação e portanto precisa cair de uma nuvem, ou precipitar de uma nuvem. Para que haja formação de nuvens é preciso bastante umidade. e, para que haja formação de nuvens que possam conter neve, é preciso muita umidade e muito frio, com temperatura abaixo de 0°C em camadas de ar próximas ao solo. 

A forte massa de ar frio de origem polar que avançou sobre o Brasil no dia 28 de julho trouxe o ar extremamente gelado fazendo com que as temperaturas despencassem no centro-sul do Brasil. Muitas cidades na Região Sul amanheceram literalmente congeladas, com temperatura abaixo 0°C.

Mas quem trouxe a umidade para formar as nuvens da neve foi um ciclone extratropical que se formou sobre o mar e nesta quarta-feira se deslocou em direção ao litoral do Rio Grande do Sul.  Os ventos de ciclone levaram a umidade do mar para o Rio Grande do Sul e estimulando a formação de muitas nuvens sobre o estado.

Foto: Climatempo

Isso pode ser observado com clareza nessa sequência de imagens captadas pelo satélite GOES 16 e colorizadas pela Climatempo. As nuvens aparecem em tons de branco e verde ou azul. Os tons de marrom indicam locais que estão com pouca ou nenhuma nebulosidade. 

O ciclone extratropical pode ser observado como o conjunto de nuvens que gira perto do litoral do Rio Grande do Sul, sempre no sentido horário, como os ponteiros de um relógio analógico. Repare como a nebulosidade vai avançando pelo interior gaúcho e chega também até Santa Catarina.

Durante esta quinta-feira, 29 de julho, esse ciclone extratropical continua próximo ao litoral do Rio Grande do Sul e vai manter essa injeção de umidade na madrugada sobre as regiões mais elevadas do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina.

Por isso ainda há condições para queda de neve, e outras precipitações de inverno, na madrugada desta quinta-feira, 29 de julho de 2021, na região serrana do Rio Grande do Sul de Santa Catarina e também em áreas do planalto sul catarinense.

No decorrer da tarde desta quinta-feira, o ciclone extratropical vai se afastando cada vez mais em alto mar e essa injeção de umidade vai diminuindo. Assim a nebulosidade também vai se desfazendo enquanto o ar seca cada vez mais, com a forte presença do ar frio de origem polar sobre o interior do continente.

Geada forte no Sul do Brasil

A queda de neve para esta madrugada de quinta-feira é só mesmo para as áreas mais elevadas de Planalto e serra do Rio Grande do Sul de Santa porém todas as outras regiões desses estados e também no Paraná terão condições de temperaturas extremamente baixas, inclusive negativas em vários locais, que vão permitir a formação de geada generalizada.

Há risco de geada de forte intensidade em todos os estados do Sul do Brasil Pode gear na região metropolitana de Porto Alegre, de Florianópolis e de Curitiba

Ressaca

A passagem do ciclone extratropical que permitiu a ocorrência de neve sobre o Sul do Brasil, também causou ventos fortes sobre o oceano e grandes ondas foram geradas. O mar fica muito agitado nesta quinta-feira, 29, e na sexta-feira, 30,  em toda a costa Sul do Brasil, com alto risco de ressaca.

A previsão é de ondas de 2,5 a 3,5m com picos de até 4,0m. A navegação fica extremamente perigosa. Atenção para os alertas da Marinha do Brasil

Climatempo
Publicidade
Publicidade