0

Chuva impossibilita o início do plantio de algodão no MT

Veja a análise para a 2ª quinzena de dezembro

14 dez 2017
11h41
  • separator
  • comentários

Áreas de instabilidade continuam concentradas sobre boa parte da região norte do Brasil. Com isso, a quinta-feira (14), continuará sendo de tempo fechado e com chuvas a qualquer hora do dia em grande parte das regiões produtoras de Rondônia, Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais, Espírito Santo, Maranhão, Piauí, Tocantins, Bahia e Pará.

A chuva intermitente que já perdura a mais de 10 dias sobre a metade norte do Brasil, já começa a trazer alguns prejuízos aos produtores, pois tais condições meteorológicas estão impossibilitando a realização dos tratos culturais, em especial a realização das pulverizações de fungicidas e herbicidas. Além disso, tais condições estão impede o início do plantio do algodão nas principais regiões produtoras do Mato Grosso.

O tempo mais fechado deverá persistir ao longo dos próximos cinco dias, atrapalhando ainda mais os tratos culturais e reduzindo as taxas fotossintéticas das plantas. Ainda é cedo para dizer que tais condições irão afetar a produtividade, uma vez que afeta diretamente a granação, mas que em algumas lavouras essa baixa taxa de radiação solar poderá afetar no máximo rendimento das lavouras.

Por outro lado, no Maranhão, Piauí, Tocantins e Bahia a chuva mantem o solo com níveis bastante satisfatórios de umidade. A previsão indica mais chuva para os próximos dias, por isso, as condições se manterão favoráveis ao desenvolvimento das lavouras de soja e milho. Além disso, o plantio do algodão começa a ser realizado em várias áreas do oeste da Bahia.

Na metade sul do Brasil, a quinta-feira (14), ainda será marcada pelo tempo seco e muito calor, onde as temperaturas poderão, facilmente, passar dos 32°C ao longo da tarde. Essa ausência de chuva já começa a trazer muita preocupação aos produtores. Algumas microrregiões já apresentam reduções nos índices de produtividade de suas lavouras, uma vez que tais localidades estão a mais de 22 dias sem receber uma só gota de chuva. Apenas lavouras de arroz da metade sul do Rio Grande do Sul é que não apresentam nenhum problema, já que os níveis dos reservatórios ainda estão relativamente bons, mas já há locais onde esses níveis caíram drasticamente nos últimos dias.

Pelas imagens de satélite é possível observar algumas áreas de instabilidade já nas regiões de fronteira entre o Uruguai e o Rio Grande do Sul.

Foto: Climatempo

Essas áreas de instabilidade já deverão provocar algumas pancadas de chuvas isoladas sobre as regiões de fronteira ao longo do dia, porém, será mesmo entre o domingo (17) e a segunda-feira (18), que uma frente fria estará avançando pelo estado e com isso, provocando chuvas generalizadas e em bons volumes sobre toda a região Sul do país.

A previsão é que ao longo da semana que vem, o tempo irá permanecer fechado e chuvoso em grande parte da metade sul do Brasil o que possibilita a elevação dos níveis de umidade do solo e garante uma excelente condição ao desenvolvimento das lavouras. O mesmo irá ocorrer nas áreas produtoras da Argentina e do Paraguai. Assim, áreas que estão sob forte estresse hídrico serão beneficiadas.

Os modelos matemáticos de previsão mostram uma tendência de bons volumes de chuva ao longo de toda a segunda quinzena de dezembro sobre as regiões produtoras do Paraguai e da Argentina, como também sobre a metade sul do Brasil, o que irá normalizar as condições de desenvolvimento das lavouras.

Foto: Climatempo

Além disso, com a volta das chuvas no Sul, a metade norte do Brasil voltará a ter chuvas apenas na forma de pancadas, possibilitando assim, que a realização dos tratos culturais e o plantio do algodão sejam realizados sem grandes transtornos.

Leia no Blog do Agroclimapro outras informações e análises sobre as culturas 

Para saber maiores informações de como se planejar com antecedência e tornar o clima seu grande aliado basta consultar www.agroclimapro.com.br

Veja como a informação meteorológica pode ajudar a tomar a decisão dentro do campo:

Climatempo

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade