0

Chuva de meteoros Orionids acontece na madrugada desta terça

As Três Marias, no cinturão de Órion, o caçador, vão ajudar a achar as estrelas cadentes, a chuva de meteoros Orionids. Veja a previsão da nebulosidade.

19 out 2020
22h18
atualizado em 20/10/2020 às 01h18
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

por Marcos Calil e Josélia Pegorim 

Prepare-se para ver um monte de estrelas cadentes nos próximos dias, o nome popular de "chuva de meteoros". Desta vez, será possível ver alguns meteoros riscando o céu até em cidades cheias de luzes artificiais, que geram a chamada poluição luminosa. A chuva de meteoros Orionids está no céu e é fácil de achar!

A chuva de meteoros Orionids, que ocorre na constelação de Órion, promete dar um lindo show no céu nos próximos dias. É considerada a melhor chuva de meteoros do mês de outubro para o ano de 2020.  Além disso, tem mais três fatores que vão tonar mais convidativa a ideia de passar uma madrugada em claro olhando para o céu, se as nuvens deixarem, claro.

1 - Sem luz da Lua

 A Lua não irá atrapalhar a observação, pois o nosso satélite natural não estará presente no céu durante a ocorrência da chuva de meteoros Orionids; 

2- Magnitude dos meteoros

Por causa da magnitude dos meteoros, os observadores localizados nas cidades com poluição luminosa poderão contemplar alguns meteoros riscando o céu. Logicamente, melhor será para quem estiver observando os meteoros numa cidade sem poluição luminosa;

3 - Fácil de achar no céu

Localizar a chuva de meteoros Orionids no céu noturno é relativamente fácil porque ela ocorre "perto" das "Três Marias", que são fáceis identificar no céu; 

Foto: Climatempo
Localização esquemática das Três Marias na constelação de Órion,
para o Hemisférico Norte

Quem poderá observar?

Qualquer observador localizado no Brasil, desde que tenha um céu sem nuvens ou com pouca nebulosidade.

Para a madrugada de 20 de outubro, será o melhor dia para observar a chuva de meteoros Orionids, a nebulosidade e as condições para chuva são altas em grande parte do país.

No mapa abaixo, as regiões com apenas 1 estrela podem ter pancadas de chuva que começam na noite do dia 19 de outubro e se prolongam pela madrugada do dia 20, ou chove só na noite do 19, mas muitas nuvens ficam na madrugada do dia 20, ou ainda só chove na madrugada da terça, 20.

Pode ocorrer também de começar a chover na madrugada do dia 20, mas a chuva parar até o meio da madrugada. De qualquer forma, nas áreas com 1 estrela, a nebulosidade e a chuva podem impedir a apreciação das estrelas cadentes. Infelizmente,  a maior parte do Brasil vai ter muita nebulosidade na madrugada desta terça-feira, 20 de outubro.

Com 2 estrelas, estão as áreas com previsão de terem alguma nebulosidade, mas que não deve cobrir todo o céu e nem será muito densa. Assim, vale a pena tentar ver!! O Rio de Janeiro e Florianópolis estão na área "vale tentar"

As áreas com 3 estrelas são aquelas que vão ficar com pouca ou nenhuma nebulosidade na madrugada de 20 de outubro e por isso terão uma ótima condição meteorológica para ver a chuva de meteoros Orionids. Aí estão quase todo o Nordeste e quase todo o Sul do Brasil.

Foto: Climatempo
Chance de visibilidade da chuva de meteoros Orionids em relação às nuvens em
19/20 de outubro de 2020

A chuva de meteoros Orionids

A chuva de meteoros Orionids é proveniente do cometa Halley. O período de observação dessa chuva está compreendido entre 02 de outubro e 07 de novembro, sendo que o melhor momento de observação irá ocorrer na virada de 19 para 20 de outubro. Mesmo que as condições meteorológicas não sejam favoráveis entre 19 e 20 de outubro, ainda assim será possível contemplar a chuva Orionids entre as noites de 17 a 22 de outubro. 

Essa chuva possui incidência de meteoros rápidos, com velocidade de 67 km/s e magnitude aparente de 2.5. Essa magnitude, ou seja, o brilho dos meteoros, permite realizar a observação nas cidades que possuem poluição luminosa.

De acordo com a International Meteor Organization (IMO), essa chuva apresentou pouco menos de 20 meteoros, entre os anos de 2014 e 2016, sendo previstos para 2020, cerca de 20 meteoros por hora. Sendo assim, em média, poderemos contemplar cerca de 1 meteoro a cada 3 minutos.

Foto: Climatempo
Constelação de Orion (Imagem: iStock)

Para onde olhar para ver a chuva de meteoros?

Para poder localizar a constelação do Órion, com suas populares "Três Marias" e o radiante da chuva de meteoros Orionids, o melhor momento de observação será na virada de 19 para 20 de outubro, noite do dia 19 e madrugada do dia 20 de outubro, segunda e terça-feira desta próxima semana.

A constelação de Órion é visível em praticamente todas as regiões habitadas da Terra e possui uma grande quantidade de estrelas muito brilhantes e nebulosas. Na mitologia grega, Órion é o caçador.

Na constelações de Órion, o conjunto de estrelas que chamamos de "Três Marias" estão no cinturão de Órion e se chamam Mintaka, Alnilan e Almitak. Acima delas está a estrela gigante vermelha Betelgeuse e abaixo delas, a outra estrela gigante, mas azul, de nome Rigel.

Foto: Climatempo
Esquema da constelação de Órion com a a localização das Três Marias,
para o Hemisfério Norte

Nesse momento a constelação do Órion estará localizada pouco acima da linha do horizonte leste, que o lado oposto ao por do sol. Porém, será a partir da 1 hora da manhã, da madrugada de 20 de outubro que começarão os melhores momentos de contemplação dessa chuva.

Por volta da 1 hora da manhã de 20 de outubro de 2020, terça-feira,  a constelação do Órion estará localizada acima do horizonte leste-nordeste. Com o avançar das horas, essa constelação se dirige para sua máxima altura, cruzando o meridiano celeste, que é a linha imaginária que divide a abóboda celeste em duas partes, sendo traçada entre os pontos cardeais norte e sul cruzando o zênite, ponto mais alto do céu, em relação ao observador. Em outras palavras, vire a cabeça e olhe o máximo para cima que puder. Aí você estará olhando para o zênite. 

Melhor horário para ver Órion

A constelação do Órion irá cruzar o meridiano celeste por volta das 4 horas da manhã. Sem dúvida, esse será o melhor horário de observação dessa chuva de meteoros. Após esse horário, a constelação do Órion e o radiante da chuva de meteoros irão caminhar lentamente para o horizonte oeste.

Porém, antes que ocorra o ocaso de todas as estrelas e dos demais objetos celestes da constelação do Órion, os raios solares irão ofuscar o brilho desses objetos celestes. Isso irá ocorrer por volta das 5 horas da manhã. 

A figura abaixo ilustra a região do radiante dessa chuva, por volta das 2 horas da manhã, em 20 de outubro de 2020.

Foto: Climatempo
Esquema da localização da chuva de meteoros Orionids

Histórico da chuva Orionids

A descoberta dessa chuva de meteoros Orionids (ou Orionídeos, na constelação de Órion) deve ser creditada à E. C. Herrick (Connecticut, USA). Em 1839, ele fez a afirmação ambígua que a atividade parecia estar presente em 08 a 15 de outubro. A mesma afirmação foi feita em 1840, quando ele comentou que "a data exata da maior frequência meteorítica em outubro é definitivamente ainda menos conhecida, mas ela vai ser encontrada pelos cálculos probabilísticos entre o oitavo e o vigésimo quinto dia do mês".

A primeira observação precisa desta chuva foi feita por Herschel em 18 de outubro de 1864 com uma taxa de quatorze meteoros a partir da constelação de Órion. Herschel confirmou ainda que existiu uma chuva originada em Órion em 20 de outubro de 1865. Posteriormente, o interesse por esta chuva aumentou e muito. Orionids se tornou então uma das melhores chuvas observada no ano.

A chuva Orionids foi frequente durante os últimos anos do século 19 e se tornou o foco de discussão durante o primeiro trimestre do século 20. O astrônomo amador britânico Denning e a astrônoma americana Olivier começaram a utilizar páginas de publicações astronômicas para discutir se o radiante Orionids (ponto a partir do qual os meteoros pareciam se irradiar no céu) se movia de um dia para o outro. Denning argumentou que não se movia, enquanto Olivier argumentou que se movia. O problema foi que - com o passar do tempo - o radiante de Orionids era cada vez mais difuso, porém graças à utilização da fotografia e das precisas plotagens de meteoros por vários astrônomos amadores e profissionais, a teoria da astrônoma Oliver de que o radiante se movia de um dia para o outro foi dita como correta.

Uma característica muito incomum dessa chuva tende a mostrar um máximo imprevisível. Em 1981, observadores relataram taxas muito baixas de menos de 10 meteoros por hora durante o período de 18 a 21 de outubro (máxima predita para 21 de outubro), mas as elevadas taxas com cerca de 20 por hora foram anotadas na manhã de 23 de outubro. Curiosamente, um estudo publicado na Checoslováquia em 1982, revelou Orionids com um duplo máximo, ou seja, dois radiantes provenientes da mesma chuva. A conclusão foi baseada em observações feitas durante o período entre 1944 a 1950.

Pouco depois, vários estudos indicaram a presença visual de um "plateau effect" (tradução literal: efeito platô), ou seja, um longo período de atividade máxima desprovida de qualquer declínio acentuado da atividade no lugar do sugerido duplo pico. Mais concretamente, as observações de 1984 provenientes da Western Australia Meteor Section, relatam uma chuva quase nula com duração máxima entre 21 a 24 de outubro, enquanto N. W. McLeod, III (Florida, USA), tem-se verificado com frequência o prazo estendido até 6 dias.

Como surgem os meteoros?

Os meteoros, popularmente chamados de "estrelas cadentes" são os rastros luminosos proporcionados pela rápida passagem de corpos variados na alta atmosfera terrestre. E quando falamos de "corpos variados" podemos nos referir, por exemplo, a lixo espacial, pequenos fragmentos da Lua ou de Marte, restos de cometas que passaram próximos a Terra e outros objetos.

Em específico, no caso das chuvas de meteoros, os riscos luminosos que observamos no céu são produzidos por pequenos fragmentos que sobraram das passagens de cometas.  Esses fragmentos são chamados de meteoróides.

Tudo começa quando um cometa se aproxima do Sol. A uma distância aproximada Sol-Marte o cometa começa a sublimar por causa dos ventos solares. Cada vez mais próximo do Sol, o calor desses ventos solares faz com que o cometa perca matéria, deixando pequenos fragmentos no espaço, ou seja, os meteoróides. Alguns desses enxames de meteoróides podem estar na rota da Terra. Desta forma, no seu movimento habitual de translação, por muitas vezes, o planeta Terra acaba passando próximo dos meteoroides.

Por conta da ação gravitacional que o planeta Terra exerce sobre os meteoroides, esses fragmentos penetram na atmosfera terrestre, atingindo grandes velocidades. Adicionado a isso, temos o choque que ocorre entre o meteoróide e as moléculas de ar. Uma combinação perfeita para produzir os meteoros, ou seja, os belos rastros luminosos que podemos observar. A maioria desses objetos celestes acabam virando pó.

Porém, alguns corpos conseguem vencer o calor da fricção e associado a seu tamanho considerável ou, uma entrada na atmosfera com velocidade "baixa", produzem um aspecto similar a uma bola incandescente no céu. Como resultado, durante a sua passagem, produzem um som intenso e deixam um rastro de fumaça. Esses corpos são chamados de bólidos. Por ser chamado de "fireball" em inglês, a tradução popular para o português se tornou "bola de fogo", porém o termo científico correto é bólido. 

Mas, nem todos os meteoroides viram pó. Alguns vencem a barreira atmosférica terrestre. Esses corpos que conseguem atingir o chão são chamados de meteoritos. Com uma certa experiência, pode-se encontrar diversos meteoritos após a ocorrência de um meteoro e, principalmente, após a ocorrência de um bólido.

Negócios meteoríticos

O valor do grama de um meteorito pode variar de acordo com sua composição química e procedência. Para se ter uma ideia, o preço de um simples meteorito, como por exemplo, o meteorito do Campo del Cielo, com seus 91 gramas, está sendo negociado por 5,48 dólares. Mas, um meteorito originado de Marte (código NWA 13038), com seus 560 gramas, custa 72.995,00 dólares.

Astronomia ao vivo no Youtube

Todas as terças feiras, às 21 horas, o professor Marcos Calil entra ao vivo no seu canal do Youtube, para informar os amantes da Astronomia Observacional sobre quais fenômenos astronômicos observar no céu.

Em especial, no programa que está gravado desta última terça feira, 13 de outubro de 2020, o professor Marcos Calil explica como observar os planetas, a luz cinérea da Lua, a aproximação da Lua com os planetas Mercúrio e Vênus, além desta bela chuva de meteoros.

Assista agora o programa para contemplar os diversos fenômenos astronômicos no céu da sua cidade , se inscreva no canal e siga Marcos Calil no Twitter e no Instagram (@MarcosCalil).

Bons céus!

Veja também:

Previsão Brasil - Baixa umidade relativa do ar em parte do país
Climatempo
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade