PUBLICIDADE

Cantareira tem o menor nível para um mês de novembro desde 2015

No feriado da Proclamação da República o nível Cantareira chegou ao menor nível dos últimos 6 anos para um mês de novembro. Mas, chove forte a partir de 18/11.

15 nov 2021 18h26
| atualizado em 19/11/2021 às 17h09
ver comentários
Publicidade

Foto: IStock

Texto por: Fabiene Casillo Casamento

Na última medição da Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo), o sistema Cantareira estava com 26,7% de volume útil no dia 15 de novembro de 2021, feriado da Proclamação da República. Este é o menor volume deste ano e desde o dia 04 de março de 2016, quando também marcou esse valor.

Agora, se analisarmos apenas o mês de novembro, o dia 15 teve o menor volume dos últimos 6 anos, para um mês de novembro, desde 2015. O menor nível em novembro de 2015 foi de -13,23% no primeiro dia daquele mês. 

Foto: Climatempo

Menores níveis do Cantareira em um mês de novembro, fonte: Sabesp

Acumulados de chuva anuais e mensais no Cantareira

Essa queda se deve às chuvas abaixo da média dos últimos anos. Aliás, desde 2017 que as chuvas anuais ficam abaixo da sua média atual, que é de 1510,2mm. A última vez que ficou acima da sua climatologia foi em 2016, com 1537,3mm registrados no total daquele ano. Já neste ano de 2021, foram apenas 871,4mm, o menor desde 2000, até o momento. 

Foto: Climatempo

Acumulados anuais de chuva no Cantareira, desde 2000. fonte: Sabesp

Neste ano, apenas o mês de outubro teve chuvas acima da sua média, com 166,0mm arredondados, ficando 35,7% acima da sua média, que é de 122,3mm. 

Foto: Climatempo

Acumulados de chuva mensais de 2021 no Cantareira, fonte: Sabesp

Já em 2020, foram mais meses que tiveram chuvas acima da média, como em fevereiro, junho, agosto e dezembro, conforme mostra o gráfico abaixo.

Foto: Climatempo

 Acumulados de chuva mensais de 2020 no Cantareira, fonte: Sabesp

Agora, se analisarmos somente o mês de novembro, foram poucas chuvas nestes 15 dias, com apenas 32,5mm. Por enquanto, este é o menor volume de chuva para um mês de novembro desde 2000.

Foto: Climatempo

Acumulados de chuva em um mês de novembro desde o ano 2000. 

Vale salientar que, mesmo com as chuvas, até acima da média no mês passado (outubro de 2021), o sistema vai demorar para responder, pois alguns dos fatores é o intervalo das ausências de chuva, com a presença do sol, que ajuda a evaporar a água, além da perda de água pelo escoamento da superfície e do consumo da água pelas casas ou residências. Assim, o reservatório é como se fosse um "balde'' com furo, que apesar de receber água, ao mesmo tempo perde pelo consumo dos clientes.

Para entender mais: Temporal não significa reservatório enchendo

Além disso, no verão teremos menos chuvas por conta da presença do Fenômeno La Niña, aliás o estado de São Paulo terá chuvas abaixo do seu normal e com chance de estiagens regionalizadas: Novas atualizações indicam La Niña até o outono

Previsão para esta semana no Sistema Cantareira 

Até quarta-feira(17) o dia é firme e faz calor na região do Cantareira, porém é a partir de quinta-feira (18), que o tempo muda e volta os temporais para a região. Além das condições de rajadas de vento e até queda de granizo, os acumulados de chuva prometem ser elevados, em especial na quinta e ao longo da sexta-feira (19). Estão previstos volumes de chuva entre 50 e 100mm na média nesse sistema, até a manhã do sábado (20). 

Boa parte dessas chuvas se deve a um corredor de umidade que vem da Amazônia, organizada por uma frente fria que passa pela costa da Região Sudeste, além da formação e da intensificação de uma área de baixa pressão atmosférica que começa na quinta entre o PR, MS e PR, e passa na sexta entre SP, RJ e MG, e outra baixa pressão atmosférica que se forma na costa do estado de São Paulo durante a quinta-feira. 

Foto: Climatempo

Acumulados de chuva entre os dias 15/11/2021 e 19/11/2021 no Brasil, pelo modelo GFS(Global Forecast System)

Foto: Climatempo

Acumulados de chuva previstos entre os dias 15/11/2021 e 19/11/2021 entre SP, MG e RJ, pelo modelo WRF de 10km (Weather Research and Forecasting Model)

Climatempo
Publicidade
Publicidade