0

Ar seco no interior do país

Umidade do ar pode atingir níveis críticos

9 set 2019
18h19
  • separator
  • 0
  • comentários

Uma massa de ar seco continua atuando sobre o interior do país nessa terça-feira (10/09) e influencia na sensação de calor e baixa umidade do ar. Os ventos quentes de quadrante norte, associados ao escoamento da Alta Subtropical do Atlântico Sul (ASAS), transportam ar quente e seco em quase toda a área central do país, mantendo a temperatura do ar próxima ou acima dos 30ºC e os índices de umidade relativa do ar abaixo de 30%, principalmente no período da tarde. Além disso, o ar seco inibe a formação de nuvens carregadas e, portanto, de chuva.

Foto: Climatempo

Umidade fica baixa

A umidade do ar entra em estado de atenção (quando o índice de umidade relativa do ar fica entre 21 e 30%) em quase toda a região Sudeste e Centro-Oeste, no interior do Nordeste, no estado do Tocantins, no sudeste do Pará e no centro-norte do Paraná. Na região Centro-Oeste, a exceção fica por conta da porção noroeste do estado do Mato Grosso, que é influenciado pela umidade e áreas de instabilidadedo Norte do país, e na faixa oeste do Mato Grosso do Sul, onde pancadas de chuva podem ocorrer associadas à um sistema de baixa pressão na região do Paraguai, além do transporte da umidade da região amazônica pelos ventos para região mais ao sul do Brasil . No Sudeste, a umidade ainda não atinge níveis de atenção nas regiões litorâneas de São Paulo e do Espírito Santo, no norte e noroeste fluminenses e nos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, em Minas Gerais, por causa dos ventos umidos marítimos.

Foto: Climatempo

A umidade pode ficar entre 12 e 20% e entrar em estado de alerta no noroeste de São Paulo, do Triângulo ao noroeste de Minas Gerais, em Goiás, extremo-oeste da Bahia, sul do Piauí e do Maranhão, no Tocantins (exceto no Bico do Papagiao), extremo-sudeste do Pará, leste do Mato Grosso e extremo-norte do Mato Grosso do Sul. É possível que em alguns pontos dessas áreas registrem inclusive índices de umidade abaixo de 12%, o que configuraria estado de emergência, segundo a escala de risco desenvolvida pelo CEPAGRI/UNICAMP.

Foto: Climatempo

Tendência para os próximos dias

Na quarta-feira (11/09), as condições de instabilidade continam no Sul do Brasil e algumas áreas de pancadas de chuva do Norte e Centro-Oeste avançam mais para o leste dos estados do Mato Grosso e no Pará. Na quinta-feira (12/09) e na sexta-feira (13/09), a formação e passagem de uma frente fria sobre o Sul e Sudeste do país, gerará condições para o aumento da nebulosidade e formação de nuvens carregadas nessas áreas. No entanto, as condições de temperatura elevada e umidade relativa do ar muito baixa devem se manter no interior do país.

Queimadas

A ocorrência de queimadas é comum nesta época do ano. O tempo seco, temperatura elevada, vegetação ressecada e os ventos quentes e constantes favorecem surgimento de focos de incêndio pelo interior do país. Portanto, os próximos dias seguem favoráveis à formação de queimadas. Além dos danos materiais e ambientais causados, a fumaça oirunda de queimadas pode piorar ainda mais a qualidade do ar.

Foto: Climatempo
Imagem do sensor MODIS do satélite AQUA (NASA) do dia 08 de setembro de 2019. Os pontos em vermelho são focos de queimadas registrados.

 

Registros de níveis críticos de umidade nesta segunda-feira (09/09)

As estações automáticas do INMET registraram índices de umidade de 11% em Buriticupu (MA) e Amambaí (MS), 12% em Tangará da Serra (MT) e 15% em Peixe (TO), Araguaçu (TO), Uruçui (PI), Água Clara (MS), Oliveira (MG), Gaúcha do Norte (MT), São José do Rio Claro (MT) e Salto do Céu (MT). Também foram registrados índices de 19% em Goiânia (GO), 22% em São Paulo (SP), 23% em Brasília (DF) e 30% no Rio de Janeiro (RJ). As estações meteorológicas dos aeroportos (METAR) registraram 12% em Cuiabá (MT), 14% em Ribeirão Preto (SP), 16% em Presidente Prudente (SP), 19% em Anápolis (GO), 20% em Araçatuba (SP) e 21% em Campo Grande (MS).

Climatempo
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade