0

Viagem Espacial

Voo parabólico: entenda a experiência de flutuar em gravidade zero

Pesquisas sobre a ausência da gravidade são essenciais para a tecnologia

3 dez 2013
07h40
atualizado às 08h19
  • separator
  • comentários

Todos os processos físicos, químicos e biológicos estão subordinados a uma condição: a força da gravidade. Tudo o que é mais pesado que o ar, cai. A água corre em direção aos vales, as borbulhas de água fervente sobem à superfície. A força da gravidade vem influindo na evolução dos seres vivos há 3,5 bilhões de anos. É possível escapar dela? E, sendo assim, por quê?

É impossível escapar totalmente da força da gravidade. "O que acontece aos astronautas da Estação Espacial Internacional (ISS, do inglês), que flutuam a 400 quilômetros de distância da Terra, é que tanto a estação quanto os próprios astronautas encontram-se em permanente queda livre dentro do mesmo campo de gravidade; entre a cápsula ISS e a Terra não há diferença de forças", explica à Deutsche Welle o especialista Manfred Gaida, astrônomo do Centro Alemão de Investigações Espaciais e Aeronáuticas (DLR, sigla do nome em alemão).

Mas por que a ISS não cai sobre a Terra? "A força centrífuga com que a nave se move é igual à força de atração que a massa da Terra exerce sobre a nave. Esse equilíbrio de forças gera uma compensação", completa Gaida. E neste "duelo" de forças, nem a força da gravidade da Terra nem a força escapatória da ISS saem ganhando. Resultado: a ausência da gravidade. Para isso, a ISS voa a 29 mil quilômetros por hora.

<a data-cke-saved-href="http://noticias.terra.com.br/ciencia/infograficos/iss/iframe.htm" href="http://noticias.terra.com.br/ciencia/infograficos/iss/iframe.htm">veja o infográfico</a>

Outro fato extraordinário é que a própria Terra se desloca, e todos nós com ela. Considerando diversos componentes, nosso planeta "voa" ou "flutua" dentro do sistema solar a uns 370 quilômetros por segundo, calcula Josef Hoell, especialista do DLR em Ciências Extraterrestres, na revista Spektrum der Wissenschaft .

O astronauta Buzz Aldrin lançou a ação AXE Apollo Space Academy (A.A.S.A) em janeiro de 2013
O astronauta Buzz Aldrin lançou a ação AXE Apollo Space Academy (A.A.S.A) em janeiro de 2013
Foto: Divulgação

A Terra nos atrai, invariavelmente
Essa força constante que pesa sobre todas as coisas na Terra é, com frequência, um fator de interferência na pesquisa científica. Para aperfeiçoar, por exemplo, uma liga de alumínio, é preciso conhecer exatamente os parâmetros do material. A gravidade pode, contudo, impedir que se atinja o efeito desejado. Também para poder entender reações, desde simples processos físicos até complexos sistemas biológicos, é importante eliminar a gravidade.

É essencial averiguar o que acontece com o ser humano, com as plantas, com um material ou um medicamento na ausência da força da gravidade. Só existem duas formas efetivas de simular esta ausência: saindo da atmosfera ou executando voos parabólicos dentro dela.

Montanha russa sobre o Oceano Atlântico
Os voos parabólicos foram concebidos para preparar os astronautas. Mas, na Europa, servem também para desenvolver a tecnologia a ser implementada na ISS ou em prováveis viagens à Lua, Marte ou outros destinos siderais. Com os voos parabólicos, incentivam-se igualmente a pesquisa industrial e na medicina.

<p>O astronauta americano Buzz Aldrin, que foi o segundo homem a caminhar na Lua, acompanhou a sele&ccedil;&atilde;o de 22 jovens de todo o mundo para realizar o sonho de ir ao espa&ccedil;o em campanha global da AXE</p>
O astronauta americano Buzz Aldrin, que foi o segundo homem a caminhar na Lua, acompanhou a seleção de 22 jovens de todo o mundo para realizar o sonho de ir ao espaço em campanha global da AXE
Foto: Divulgação

O avião levanta voo com uma inclinação de 47°. Um Airbus comercial está programado para não exceder os 20° de inclinação. Durante a decolagem acelerada, o interior da aeronave sofre de um excesso de gravidade, provocado pela atração da Terra.

Os passageiros sentem, então, quase o dobro de seu próprio peso, e são literalmente "pregados" ao piso do avião. Uma vez atingida a altitude necessária, os motores da aeronave são desligados. Em função da inércia, o avião avança, ainda assim, por cerca de mil metros, até perder impulso.

É neste ponto que começa a inevitável queda, que é controlada e durante a qual as pessoas e os objetos dentro da cabina são "liberados" da força da gravidade. O fenômeno acontece porque tanto o avião quanto sua atmosfera interior caem ao mesmo tempo e com a mesma velocidade. Esta compensação, que torna a atração da Terra imperceptível, manifesta-se na "gravidade zero", ou melhor, na "microgravidade", pois não é possível escapar, por completo, à força da gravidade.

Voo parabólico: flutuando em gravidade zero
Voo parabólico: flutuando em gravidade zero
Foto: Arte Terra

Deutsche Welle A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade