2 eventos ao vivo

Vacina italiana anti-Covid deve estar disponível em setembro

Ministro da Saúde confirmou investimento público em laboratório

27 jan 2021
11h14
atualizado às 11h29
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O presidente da Agência Italiana de Medicamentos (Aifa), Giorgio Palù, informou nesta quarta-feira (27) que a vacina anti-Covid desenvolvida pelo laboratório ReiThera, que tem sede em Roma, deverá está disponível em setembro desse ano.

Vacina italiana deve ficar pronta até setembro deste ano
Vacina italiana deve ficar pronta até setembro deste ano
Foto: ANSA / Ansa - Brasil

"Será possível fazer a aplicação de algumas milhões de doses da vacina italiana, mas não antes de setembro. Elas poderão integrar a nossa disponibilidade de mais de 200 milhões de doses que estavam na estimativa de compra, mas que estão atrasadas", disse Palù em entrevista à "Sky" referindo-se aos problemas nas entregas recentes da Pfizer.

A vacina Grad-CoV2 vem sendo desenvolvida na Itália há cerca de um ano e apresentou bons resultados na primeira fase de testes em humanos, se mostrando segura ao organismo. Atualmente, o imunizante está na terceira etapa de testes, que verificam a eficácia dele para a proteção contra o coronavírus Sars-CoV-2.

Também nesta quarta-feira, o ministro da Saúde, Roberto Speranza, confirmou a informação de que o governo investirá no laboratório, conforme anunciado ontem pela agência de promoção de investimentos Invitalia.

"O Estado italiano entra com capital público na ReiThera, a empresa de Castel Romano que está desenvolvendo a vacina anti-Covid. É uma escolha justa e importante. Dessa crise precisamos sair mais fortes para garantir a saúde das pessoas hoje e amanhã", escreveu Speranza em sua página do Facebook.

Apesar de Speranza não confirmar os números, a Invitalia informou que compraria 30% das ações do laboratório, sendo que investiria ainda 69,3 milhões de euros na pesquisa e 11,7 milhões na ampliação da fábrica em Castel Romano. A ideia é que a empresa fabrique 100 milhões de doses da vacina por ano. .
   

Veja também:

Como era ser uma criança negra na Alemanha pós-guerra
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade