0

Vacina de Oxford induz resposta imunológica também em idosos

Estudo com 560 voluntários avaliou fase 2 dos testes

19 nov 2020
07h37
atualizado às 07h52
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A vacina contra o coronavírus Sars-CoV-2 criada pela Universidade de Oxford e pelo laboratório AstraZeneca conseguiu induzir a uma resposta imune em todas as faixas etárias da fase 2 de testes, informou nesta quinta-feira (19) um estudo publicano na revista científica "The Lancet".

Vacina da Oxford apresentou bons resultados em todas as faixas etárias
Vacina da Oxford apresentou bons resultados em todas as faixas etárias
Foto: EPA / Ansa - Brasil

A fase intermediária de testes da ChAdOx1 nCoV-19 foi realizada com 560 adultos saudáveis e que foram divididos em três grupos: 160 voluntários de 18 a 55 anos, 160 de 56 a 69 anos e 240 idosos acima de 70 anos.

Dentro dessas três divisões, as pessoas foram ainda divididas em outros subgrupos que receberam dosagens diferentes da vacina: um recebeu uma dosagem baixa, outro a padrão e um grupo recebeu placebo. Na faixa entre os participantes acima dos 55 anos, ainda houve mais uma divisão: parte deles recebeu uma dose da vacina e a outra recebeu duas doses com uma distância de 28 dias entre elas.

As reações adversas foram consideradas leves, como dor no corpo e dor no local da aplicação, fadiga, dor de cabeça e dores de cabeça. Em seis meses da aplicação da primeira dose, foram registradas 13 reações adversas graves, mas nenhuma relacionada à imunização em si. Outra boa notícia do estudo é que os efeitos colaterais foram menos frequentes nos idosos.

Conforme a publicação da "The Lancet", a resposta imunológica dos anticorpos específicos contra o vírus que provoca a Covid-19 foram produzidas 28 dias após a primeira dose em todas as faixas etárias, e com a segunda dose, eles aumentaram no 56º dia.

Andamento similar aos anticorpos neutralizantes: duas semanas após a primeira dose, 208 em 209 voluntários os desenvolveram. Esse tipo de mecanismo impede que o Sars-CoV-2 se ligue à coroa que reveste o vírus e, consequentemente, que ela se conecte às células humanas para fazer a sua infecção e reprodução.

A eficácia da ChAdOx1 nCoV-19 para prevenir a doença, no entanto, ainda está em análise, visto que a fase 3 de testes ainda está em andamento.

A vacina desenvolvida pela Oxford é considerada uma das mais promissoras no mundo por utilizar métodos já tradicionais de produção de imunizante. Ela contém um adenovírus (que não causa doença), mas que carrega o material genético do novo coronavírus para que o corpo produza uma resposta imunológica. .
   

Veja também:

Como era ser uma criança negra na Alemanha pós-guerra
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade