3 eventos ao vivo

Vacina CoronaVac tem taxa de eficácia de 50,38%

Número inclui também pessoas que ficaram com sintomas leves

12 jan 2021
13h50
atualizado às 14h22
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A vacina CoronaVac, criada pela Sinovac Biotech, apresentou uma taxa de eficácia de 50,38% na prevenção da Covid-19, informaram nesta terça-feira (12) o Instituto Butantan e o governo do estado de São Paulo em coletiva de imprensa.

Taxa global da CoronaVac foi de 50,38%, informou Butantan nesta terça
Taxa global da CoronaVac foi de 50,38%, informou Butantan nesta terça
Foto: EPA / Ansa - Brasil

O valor é menor do que o apresentado na última semana, de 78% para casos leves e 100% dos casos moderados e graves, por ser a "taxa global" de eficácia, que analisa os dados de todos que contraíram a doença, mesmo aqueles que não precisaram de nenhum cuidado médico.

No Brasil, participaram dos testes cerca de 13 mil voluntários saudáveis. Foram infectadas 252 pessoas e, segundo o diretor-médico de pesquisa do Instituto Butantan, Ricardo Palácios, o número de contaminados é muito mais alto do que o solicitado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) - de 151 casos - para fazer com que a "vacina tivesse o maior estresse possível".

"A gente previu que a vacina tivesse um efeito menor nos casos mais leves e maior nos casos graves. E isso aconteceu. Nós temos uma vacina que consegue controlar a pandemia, que consegue evitar os casos graves da doença. É uma vacina extremamente segura", acrescentou.

Segundo a OMS, as faixas de casos de Covid-19 são de zero a 10: zero são os assintomáticos, de 1 a 3 os leves, 4 e 5 são os moderados, 6 a 9 os casos graves e 10 são as vítimas. Na última semana, os dados levaram em conta apenas os grupos acima do 1.

As principais ocorrências adversas foram dor de cabeça, fadiga, cansaço e dores musculares, considerados leves pelo estudo. Não houve registro de nenhum evento adverso grave à vacina.

O secretário estadual de saúde do estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn, começou a coletiva "exigindo das autoridades que o Brasil comecem a vacinar o mais rápido possível com as vacinas que já temos no país, mas também adquirindo mais doses de outras".

Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, lembrou que o pedido de uso emergencial da CoronaVac já está nas mãos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e que os dados estão sendo apresentados de "maneira transparente".

Segundo Covas, "nenhuma outra companhia mostrou dados totais antes da aprovação do uso emergencial" e que o Butantan sempre foi transparente nas suas comunicações. O diretor do instituto ainda criticou que a vacina sofreu "preconceito" por ter sido produzida em parceria com a China e que há seis milhões de doses prontas em São Paulo aguardando a liberação. "Precisamos urgentemente iniciar a vacinação", acrescentou.

Conforme anunciado por Covas, mais estudos serão realizados com grupos que foram deixados de fora dos primeiros testes, como grávidas e crianças e adolescentes.

O pedido de uso emergencial está em andamento na Anvisa, assim como a AZD1222, criada pela Universidade de Oxford e pela AstraZeneca. O órgão tem até o dia 18 de janeiro para dar a autorização ou não para os imunizantes.

A CoronaVac é feita de maneira tradicional, usando um vírus inativado, e pode ser armazenada em temperaturas de 2°C e 8°C, o normal de uma geladeira. Por isso, é apontada como ideal para um país do tamanho do Brasil.

O governo federal comprou 100 milhões de doses do imunizante e informou que fará a distribuição dele para os estados. No entanto, São Paulo mantém a data de 25 de janeiro como início de sua campanha estadual de imunização dos grupos prioritários. .
   

Veja também:

Como era ser uma criança negra na Alemanha pós-guerra
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade