0

Salles anula ato que regularizava invasões na Mata Atlântica

Despacho permitia invasões feitas no bioma até julho de 2008, incluindo margens de rios e morros devastados pela agricultura e pecuária

4 jun 2020
08h59
atualizado às 09h11
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, revogou despacho assinado por ele em abril que poderia anular infrações ambientais e anistiar desmatadores da Mata Atlântica. A revogação está publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira, 4.

 

Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, durante entrevista à Reuters em Brasília
06/09/2019 REUTERS/Adriano Machado
Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, durante entrevista à Reuters em Brasília 06/09/2019 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

O despacho invalidado reconhecia como consolidadas as áreas de preservação permanentes (APPs) desmatadas e ocupadas até julho de 2008 em propriedades rurais na Mata Atlântica. Na prática, o ato regularizava invasões feitas no bioma até esse período e, com isso, margens de rios e topos de morro devastados para a prática de agricultura e pecuária, por exemplo, não precisariam mais ser recuperados com vegetação nativa.

A determinação anterior de Salles causou a reação de ambientalistas e outros setores da sociedade. Ainda em abril, o Ministério Público Federal entrou com ação civil pública pedindo a suspensão do Despacho MMA 4.410/2020 que, segundo os procuradores, "aniquila significativa parcela da proteção de vegetação nativa do bioma Mata Atlântica, proporciona uma fragilização ainda maior da segurança hídrica em tempos de mudanças climáticas e de notórios, recorrentes e cada vez mais intensos episódios de escassez hídrica e racionamento do fornecimento de água potável". A ação foi assinada também pela Associação Brasileira dos Membros do Ministério Público do Meio Ambiente (Abrampa) e a organização não governamental SOS Mata Atlântica.

Veja também:

Investidores internacionais pedem resultados contra desmatamento
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade