1 evento ao vivo

Partidos movem ações contra Ministério do Meio Ambiente

Ações questionam exportação de madeira sem fiscalização e congelamento dos fundos Amazônia e Clima

5 jun 2020
11h23
atualizado às 11h51
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

SÃO PAULO - A Associação Brasileira dos Membros do Ministério Público de Meio Ambiente (Abrampa), os partidos PT, PSB, PSOL e Rede e organizações não governamentais anunciam nesta sexta-feira, 5, Dia Mundial do Meio Ambiente, que estão entrando com três ações no STF e na Justiça Federal questionando atitudes e omissões do Ministério do Meio Ambiente.

As ações são baseadas em documentos técnicos compilados pelo Observatório do Clima, rede composta por 50 organizações da sociedade civil, que apontam que o governo federal "atendeu a madeireiros e deixou de aplicar a lei na exportação de madeira contra a orientação de especialistas do Ibama, além de colocar a floresta amazônica e o clima global em risco ao congelar o Fundo Amazônia e o Fundo Nacional sobre Mudanças Climáticas (Fundo Clima)", informa o grupo por meio de nota.

Mais detalhes estão sendo dados em coletiva de imprensa que se iniciou um pouco depois das 11h.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, durante entrevista coletiva sobre as operações de combate ao desmatamento
O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, durante entrevista coletiva sobre as operações de combate ao desmatamento
Foto: Dida Sampaio / Estadão Conteúdo

De acordo com a nota, haverá uma ação civil pública (ACP) contra União e Ibama na JustiçaFederal do Estado do Amazonas e foi ajuizada pela Abrampa junto com organizações da sociedade civil. Ela "exige a anulação de despacho emitido pelo presidente do Ibama, Eduardo Bim, que liberou a exportação de madeira nativa sem fiscalização, a pedido expresso de madeireiras. O despacho se aplica a todo o país, mas afeta especialmente a Amazônia", aponta a nota.

Ainda de acordo com o material, a segunda e a terceira peças são ações diretas de inconstitucionalidade (Adin) que apontam "omissão da União" e foram movidas pelos partidos no Supremo Tribunal Federal. "Elas exigem a retomada imediata dos fundos Amazônia e Clima, principais mecanismos financeiros da política climática brasileira, que permitiriam ao país cumprir a Lei no 12.187, da Política Nacional sobre Mudança do Clima, bem como o compromisso brasileiro no Acordo de Paris. Ambos os fundos estão congelados por um ano e meio, desde que o governo Bolsonaro assumiu", diz a nota.

 

Veja também:

Investidores internacionais pedem resultados contra desmatamento
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade