0

PF aponta navio grego como suspeito de derramar óleo no NE

Segundo a Polícia Federal, informações preliminares indicam que navio está vinculado a empresa de mesma nacionalidade

1 nov 2019
09h58
atualizado às 12h16
  • separator
  • 0
  • comentários

A operação Mácula, da Polícia Federal, identificou um navio de bandeira grega com petróleo venezuelano como suspeito pelo derramamento no oceano Atlântico, que posteriormente atingiu praias do litoral nordestino. A informação foi dada pela PF em nota nesta sexta-feira (1°).

Mancha em praia Peroba, em Maragogi, Alagoas 17/10/2019REUTERS/Diego Nigro
Mancha em praia Peroba, em Maragogi, Alagoas 17/10/2019REUTERS/Diego Nigro
Foto: Reuters

Segundo a polícia, o navio atracou na Venezuela em 15 de julho, permaneceu por três dias e seguiu rumo a Cingapura, vindo a aportar apenas na África do Sul. "O derramamento investigado teria ocorrido nesse deslocamento", afirmou a PF.

Segundo a Polícia Federal, informações preliminares indicam que o navio grego está vinculado a empresa de mesma nacionalidade, "porém ainda não há dados sobre a propriedade do petróleo transportado", o que impõe a continuidade das investigações.

Os responsáveis, inclusive pessoas jurídicas, podem sofrer penas do crime de poluição previsto no artigo 54 da lei ambiental, bem como o crime do artigo 68 da mesma lei, decorrente do fato de não ter havido comunicação às autoridades acerca do incidente.

A PF afirmou ainda que nesta sexta-feira cumpre dois mandados de busca e apreensão na cidade do Rio de Janeiro em sedes de representantes e contatos da empresa grega no Brasil, sem divulgar o nome.

O governo brasileiro e a Petrobras já haviam afirmado que o petróleo derramado nas praias do Nordeste, desde o início de setembro, era venezuelano. Nesta semana, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, apontou um navio como responsável, sem dar detalhe.

Veja também:

 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade