2 eventos ao vivo

Pesquisadores usam microtransmissor para rastrear barbeiro

Primeiro estudo com insetos transmissores de doenças usando equipamento mostrou que vetor da doença de Chagas pode andar até 20 metros

9 jul 2018
15h22
atualizado às 15h23
  • separator
  • comentários

Pesquisadores da Universidade do Texas conseguiram mapear movimentos do barbeiro, que transmite a doença de Chagas, utilizando um microtransmissor de rádio que foi acoplado ao inseto. O estudo acompanhou o comportamento do animal durante três anos e é o primeiro a utilizar essa técnica para monitorar insetos que são vetores de doenças. Os dados foram publicados nesta segunda-feira, 9, no Journal of Medical Entomology.

Descoberta pelo médico brasileiro Carlos Chagas, a doença de Chagas é causada pelo parasita Trypanosoma cruzi e transmitida principalmente pelo barbeiro. Ela também pode passar de mãe para filho, por transfusões de sangue ou por meio de um órgão transplantado de um doador infectado.

Os sintomas iniciais são parecidos com os da gripe, mas, se não for tratada, a doença se torna crônica e causa alterações cardíacas e digestivas. A doença tem incidência na América Latina e no sul dos Estados Unidos.

Uma dificuldade para estudar esses insetos se dá pelo fato de que eles costumam se movimentar durante a noite e se esconder ao longo do dia. Para este novo estudo-piloto, a equipe contou com a ajuda de três moradores que relataram o aparecimento frequente do barbeiro em suas casas. Após a captura dos insetos, os estudiosos prenderam transmissores de rádio de apenas 0,2 gramas nas costas dos animais usando supercola.

Os microequipamentos foram pintados com uma tinta fluorescente para facilitar o processo de recaptura dos 11 barbeiros observados no estudo.

Foram rastreados 18 movimentos em períodos que variaram entre um e 12 dias, e os estudiosos constaram que, apenas andando, os insetos percorreram distâncias entre quatro e 20 metros.

Besouros e abelhas já foram monitorados por meio de transmissores de rádio em estudos, mas nunca uma análise dessa natureza tinha sido realizada com artrópodes vetores de doenças.

O método se mostrou adequado para o estudo de barbeiros que, segundo os integrantes do estudo, têm baixa densidade populacional, de modo que seria necessário uma captura em larga escala para se chegar a resultados.

De acordo com o principal autor do estudo, o professor assistente de entomologia Gabriel Hamer, a análise do movimento do barbeiro pode ajudar nas ações para evitar a exposição de animais e seres humanos ao vetor da doença.

Veja também

 

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade