PUBLICIDADE

Vírus que deixa humanos mais “estúpidos” é descoberto

Cientistas da Escola de Medicina Johns Hopkins e da Universidade de Nebraska fizeram a descoberta “sem querer”, durante um estudo de micróbios da garganta

10 nov 2014 10h54
| atualizado às 10h55
ver comentários
Publicidade
Um vírus que afeta as capacidades cognitivas em pessoas saudáveis foi descoberto
Um vírus que afeta as capacidades cognitivas em pessoas saudáveis foi descoberto
Foto: The Independent / Reprodução

Um vírus que infecta o cérebro do ser humano e o torna mais “estúpido” foi descoberto por cientistas americanos. O chamado vírus “algae” não havia sido detectado anteriormente em pessoas saudáveis, mas foi encontrado em análises microscópicas de gargantas, podendo causar alterações nas funções cognitiva e visual. As informações são do The Independent.

Cientistas da Escola de Medicina Johns Hopkins e da Universidade de Nebraska fizeram a descoberta “sem querer”, durante um estudo de micróbios na garganta. Surpreendentemente, as pesquisas encontraram DNA que batia com o do vírus em pessoas saudáveis.

O médico virologista Robert Yolken, quem liderou o estudo, disse que “este é um exemplo impressionante que mostra que os micro-organismos inócuos  que carregamos pode afetar o comportamento e cognição”. Segundo a publicação, muitas características diferentes entre duas pessoas são encodadas nos genes, sendo herdadas pelos pais, mas “muitas dessas diferenças podem ser alimentadas pelos vários micro-organismos que abrigamos e a forma como eles interagem com os nossos genes”.

A pesquisa contou com 90 voluntários, sendo que 40 foram testados como positivo para a presença do algae. Aqueles que têm a presença do vírus se saíram pior em testes de avaliação de medidas, velocidade e processamento visual. Eles também obtiveram pontuações inferiores em tarefas concebidas para medir a atenção.

O corpo humano carrega trilhões de bactérias, vírus e fungos. A maioria é inofensiva, mas as descobertas da pesquisa mostram que alguns micro-organismos podem deteriorar em funções cognitivas. 

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade