0

Transplante de cabeça pode ser realidade em breve,diz médico

Críticos dizem que teoria do italiano Sergio Canavero é “pura fantasia”

26 fev 2015
11h37
atualizado às 11h53
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Desenho de transplante de cabeça realizado em um macaco há 40 anos
Desenho de transplante de cabeça realizado em um macaco há 40 anos
Foto: The Mirror / Reprodução

Parece mais um roteiro de filme de terror, mas pode se tornar realidade – e em breve: o transplante de cabeça humana poderá ser testado já em 2017, segundo defende o médico italiano Sergio Canavero, do Grupo Avançado de Neuromodulação de Turin. As informações são do The Mirror.

A equipe liderada por Canavero apresentará um projeto em uma conferência médica da Academia de Cirurgias Neurológicas e Ortopédicas (AANOS), que acontecerá em junho nos Estados Unidos.

Segundo acredita o médico italiano, o transplante de cabeça poderá ajudar pessoas com doenças musculares degenerativas e com câncer. Testes básicos começaram a ser realizados em 2013 e agora o médico acredita que os maiores obstáculos tenham sido superados para que aconteça uma bem-sucedida fusão da medula espinal com uma nova cabeça, assegurando o sistema imunológico do corpo não a rejeite.

Basicamente, para o procedimento, a ideia é que o corpo do doador seja mantido congelado para manter as células o máximo possível sem oxigênio. Depois disso, o tecido em volta do pescoço seria dissecado e os grandes vasos sanguíneos seriam ligados utilizando tubos minúsculos. Assim, as medulas espinhais seriam limpas, cortadas do destinatário e movidas para o corpo do transplantado. Posteriormente, a pessoa iria ser colocada em coma por cerca de quatro semanas e, somente depois disso, poderia iniciar um processo de adaptação (como aprender a andar de novo, o que poderia levar até um ano).

Os críticos de Canavero dizem que a teoria é “pura fantasia”. Ele defende a ideia após 40 anos desde o primeiro transplante de cabeça feito em um macaco, além de uma operação similar em um rato realizado recentemente com sucesso na China.

Veja também:

Como era ser uma criança negra na Alemanha pós-guerra
Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade