PUBLICIDADE

Cientistas: esqueleto achado em estacionamento é do rei Ricardo III

4 fev 2013 09h07
| atualizado às 17h30
ver comentários
Publicidade

O esqueleto encontrado em um estacionamento de Leicester, no centro da Inglaterra, é do rei Ricardo III, morto em 1485 no campo de batalha e imortalizado por Shakespeare, anunciaram especialistas nesta segunda-feira. Falando para mais de 140 jornalistas de todo o mundo, os cientistas descreveram a descoberta, que foi feita por exames de DNA, como "verdadeiramente surpreendente".

Descoberta soluciona mistério que já durava 500 anos ao revelar onde estava enterrado o último rei britânico a morrer em batalha
Descoberta soluciona mistério que já durava 500 anos ao revelar onde estava enterrado o último rei britânico a morrer em batalha
Foto: Reuters

"A conclusão acadêmica da Universidade de Leicester é que, além de qualquer dúvida razoável, o indivíduo exumado em Greyfriars, em setembro de 2012, é efetivamente Ricardo III, o último rei da Inglaterra da casa Plantagenet", afirmou o arqueólogo Richard Buckley, que encabeçou a investigação, desencadeando aplausos do público.

Os especialistas realizaram datação por carbono, testes de DNA e exames de raio-x para determinar a veracidade da descoberta. Eles também compararam as observações que fizeram com informações repassadas por especialistas em armas e traumas, além de pesquisadores do estilo de vida e dieta medievais.

Ricardo III foi rei da Inglaterra entre 1483 e 1485. Seu corpo nunca havia sido encontrado. Os arqueólogos exploraram durante várias semanas um estacionamento onde estaria a capela com o esqueleto do monarca, falecido na batalha de Bosworth. Sua morte pôs fim à Guerra das Duas Rosas, entre a casa de York e os Plantagenet. A capela foi destruída no século XVI e desde então se desconhecia sua localização exata.

De acordo com os pesquisadores, vários indícios levavam a crer que a ossada encontrada era mesmo do rei. O esqueleto, que está bem conservado, tem vários detalhes surpreendentes, como a ponta metálica de uma flecha entre as vértebras superiores e uma fenda na parte de trás do crânio, aparentemente provocada por um objeto cortante. Além disso, tem deformações na coluna vertebral, provocadas por uma "escoliose severa" e perfeitamente compatíveis, segundo os especialistas, com as descrições do rei feitas enquanto era vivo. 

 Os restos mortais do soberano serão sepultados na catedral da cidade, informou a universidade.

Buscas pelo rei
No final de agosto, especialistas do Departamento de Arqueologia da Universidade de Leicester iniciaram as buscas no subsolo de um estacionamento do centro da cidade. No início de setembro, encontraram um esqueleto bem conservado de um homem, que apresentava indícios surpreendentes: uma coluna vertebral deformada e ferimentos que poderiam ser similares às agressões letais infligidas ao rei no campo de batalha.

O modo como o esqueleto foi encontrado sugere que o rei estava amarrado quando foi enterrado. Os cientistas informaram que houve muito dano aos ossos e que o esqueleto possuía "uma constituição esguia incomum, quase feminina", tendo morrido por volta dos 20 ou 30 anos. Ricardo III tinha 32 anos quando morreu.

O "mistério do rei do estacionamento" atraiu a comunidade científica e provocou a festa da imprensa sensacionalista. William Shakespeare imortalizou Ricardo III como um tirano corcunda que matou os dois sobrinhos que impediam seu acesso ao trono da Inglaterra, entrando assim para a história com uma péssima reputação.

Os cientistas esperam que a descoberta possibilite uma nova visão sobre seus dois anos de reinado.

Com informações de agências internacionais

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade