PUBLICIDADE

Panspermia: a teoria do universo cheio de vida em potencial

Já na Antiguidade alguns conceitos defendiam que o cosmo inteiro estaria cheio de sementes e que a vida na Terra teria se originado a partir delas.

15 jan 2022 19h21
ver comentários
Publicidade

Qual foi o estopim para tornar vida o que não era vida?

Foto: BBC News Brasil

Um dos grandes mistérios que ainda não foram resolvidos, e que ninguém espera que seja resolvido em curto prazo, é a origem da vida na Terra (ou em qualquer outro lugar do Universo).

A ciência vem tentando compreender a questão, mas, apesar de progressos surpreendentes, ainda há muito ser explicado.

Há uma hipótese cujos antecedentes remontam ao Império Antigo do Egito, e que também se encontram no hinduísmo inicial, na filosófica pré-socrática do grego Anaxágoras e entre gnósticos. Ela tem sido descartada repetidamente, mas sobreviveu através da história.

É a teoria da panspermia.

Alguns desses primeiros conceitos defendiam que o cosmo inteiro está cheio de sementes e que a vida na Terra se originou a partir delas.

A versão moderna postula - em poucas palavras - que a vida existe em todo o Universo e pode se transportar através do espaço de um lugar para outro.

Não está provada, claro, e vários especialistas apontam que, mesmo que haja evidências disso, não vai resolver necessariamente a questão da origem da vida.

De qualquer forma, várias descobertas dão certa credibilidade a essa teoria.

Segundo o blog de astrobiologia da Nasa, uma equipe de proeminentes cientistas do MIT (Massachusetts Institute of Technology) e da Universidade Harvard, por exemplo, "está tão convencida da plausibilidade da panspermia que investiu em mais de uma década fundos da Nasa e de outras origens". O objetivo é "projetar e fabricar um instrumento que possa ser enviado a Marte e potencialmente detectar o DNA ou o mais primitivo RNA (ácido ribonucleico, molécula em formato de fita que carrega o código genético do DNA para a produção de proteínas em uma célula)". Esse plano poderia coletar evidências de que alguma forma de vida chegou a Marte.

Será possível?

Como conta o físico britânico Brian Cox, em um vídeo da BBC Ideas e da Open University no Reino Unido, isto é o que sabemos:

A vida é incrivelmente adaptável, basta ver a forma que nossa própria espécie conseguiu prosperar por todo o planeta.

E os micro-organismos, como bactérias e arqueas, ao longo de milhões de anos de evolução puderam se modificar e se adaptaram a uma ampla variedade de condições.

Isso significa que hoje em dia existem micróbios que podem sobreviver com uma gama de dietas - enxofre, amoníaco, o metal manganês - com ou sem oxigênio.

Alguns inclusive sobrevivem nas condições mais extremas que a Terra oferece.

O Pyrococcus furiosus prospera nos respiradouros hidrotermais no fundo do mar. A temperatura ideal para o crescimento é de 100°C, um calor que acabaria com a maioria dos seres vivos. Já o organismo antártico Psychrobacter frigidicola prefere ambientes mais frios.

Também se pode encontrar extremófilos em ácido quente ou sobrevivendo à dissecação em desertos cobertos de sal.

Algumas dessas criaturas podem inclusive fazer frente a vários extremos de uma vez.

É possível encontrar Deinococcus radiodurans tanto em águas termais como no solo antártico. Ele sobrevive à dessecação e é um dos organismos mais resistente à radiação que conhecemos.

Tudo isso faz com que os extremófilos sejam provavelmente os organismos mais capazes de sobreviver e, potencialmente, colonizar os entornos hostis de outros planetas e luas, sempre que haja líquido ao menos por uma parte do tempo.

Mas...

Como chegariam a esses outros lugares?

A forma mais fácil seria viajar com os humanos enquanto nós exploramos o Sistema Solar e outros locais mais distantes.

Nas naves espaciais da Nasa foram descobertas bactérias Tersicoccus phoenicis: teremos introduzido acidentalmente bactérias da Terra na Lua e em Marte?

Outra forma é que esses micróbios se movam pelo Sistema Solar pegando carona nos meteoritos.

Quando estes se chocam com um planeta, rochas e escombros saem voando e se produzem mais meteoritos.

Até agora foram encontrados 313 meteoritos marcianos na Terra, e também foram achadas pedras terrestre na Lua - e assim se sabe que há uma troca interplanetária de rochas.

Mas...

Como conseguiriam sobreviver no espaço?

Uma vez no espaço, esses viajantes resistentes poderiam lidar facilmente com o frio e falta de oxigênio.

Até as bactérias normais, em condições extremas, podem entrar em um estado de letargia, criando espaços seguros rodeados de paredes grossas, que se conhecem como esporas. São pacotes de DNA bacteriano resistentes ao calor, ao frio, à seca, à acidez e aos raios ultravioletas ao viajar pelo espaço.

No entanto, um grande problema é que o espaço está repleto de radiação que destrói o DNA.

Mas isso não detém o Deinococcus. Grupos desses pequenos indivíduos sobreviveram a três anos de exposição ao espaço exterior. Outros sobreviveram até seis anos na forma de esporas.

Outro obstáculo é o tempo. O espaço é imenso - viajar a qualquer lugar toma muito tempo.

Mas em 2020 cientistas japoneses reviveram bactérias que ficaram inativas no fundo do oceano durante 100 milhões de anos - ou seja talvez as distâncias extraordinárias não sejam um problema para esses diminutos viajantes especiais.

O último passo é sobreviver à aterrisagem forçada em seu novo lar.

E já se demonstrou que as bactérias podem fazer precisamente isso... sempre que estejam alojadas em fraturas profundas na rocha cósmica.

Será que sim, então?

Então é possível que a vida microbiana já tenha viajado a algum lugar como Marte.

As condições eram notavelmente similares às da Terra há 3,8 bilhões de anos.

Poderiam esses micróbios extremófilos terem colonizado os aquíferos subterrâneos de Marte?

Se já estão lá, terão se adaptado ao seu novo entorno?

Ou talvez a vida na Terra se originou em Marte e logo viajou para o nosso planeta?

Pode ser que não sejam pequenos extraterrestres verdes ou vida inteligente como a entendemos, mas a possibilidade que a vida tenha se deslocado através do Sistema Solar e para além é profundamente intrigante.

E com o telescópio James T. Webb começando sua busca por sinais reveladores de vida distante em outros planetas poderíamos talvez descobrir que a vida é muito mais inevitável do que já pensamos?

Grande parte desta reportagem é uma adaptação do vídeo da BBC Ideas "Are we thinking about alien life all wrong?", realizado com o consultor acadêmico Dr. Mark Fox-Powell, pesquisador na Open University, e apresentado pelo físico Brian Cox.

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
Publicidade
Publicidade