PUBLICIDADE

Museu Nacional apresenta fóssil do maior réptil voador já encontrado no Brasil

20 mar 2013 10h46
| atualizado às 15h44
ver comentários
Publicidade

O Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) apresentou nesta quarta-feira, dia 20, o mais importante réptil voador pré-histórico já encontrado no Brasil. Trata-se do maior fóssil de pterossauro (Tropeognathus Mesembrinus) descoberto no hemisfério sul e o terceiro no mundo. Media em torno de 8,5 metros de uma ponta à outra da asa. Um modelo em tamanho natural do esqueleto e outro da cabeça em vida do gigante voador, construídos nos laboratórios do museu, poderão ser vistos pelo público a partir da próxima sexta-feira (22) na Quinta da Boa Vista, zona norte do Rio.

"Existe uma série de controvérsias sobre estes animais. Eles são diferentes de tudo aquilo que existe hoje em dia e os pesquisadores têm dificuldades de responder até questões mais básicas", afirma o professor Alexander Kellner, que chefiou a expedição de diversas instituições brasileiras à chamada Formação Romualdo. Eles fizeram uma escavação controlada na Chapada do Araripe, entre os Estados do Ceará, Pernambuco e Piauí.

O fóssil que o grupo de pesquisadores encontrou é o mais completo já encontrado, com boa parte do esqueleto preservado, incluindo o crânio. Segundo o estudo, a Bacia do Araripe reúne alguns dos mais importantes depósitos de fósseis do mundo. O trabalho inclui outros dois animais de grande porte encontrados no mesmo local.

Parte da asa do pterossauro
Parte da asa do pterossauro
Foto: Museu Nacional / Divulgação

"Quando a gente fala de pterossauros, é o Brasil que se destaca. Os exemplares que encontramos aqui estão muito melhor preservados que em outros lugares no mundo, como Inglaterra, Estados Unidos e China. São animais de ossos extremamente finos. E os animais mediam 8,5 metros. Isto dá uma noção da dificuldade de encontrar animais preservados", diz Kellner.

O estudo - que avaliou três fósseis de pterossauros, dois em condições piores do que o que foi apresentado - demonstrou que, há 110 milhões de anos, na região onde se encontra a Chapada do Araripe, os céus eram povoados por pterossauros de grande porte: um verdadeiro celeiro de répteis alados gigantes. Demonstrou, ainda, que o gigantismo nesses répteis voadores ocorreu bem antes do que se supunha anteriormente e não era limitado apenas a espécies encontradas no final do período Cretáceo, mais especificamente entre 72 e 65 milhões de anos.

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade