PUBLICIDADE

Rio prepara estratégia para atuar em eventual onda de calor

17 out 2015
14h42 atualizado às 14h45
0comentários
14h42 atualizado às 14h45
Publicidade

Uma das cidades mais quentes do país, o Rio de Janeiro, onde a temperatura bateu mais um recorde nessa sexta-feira (16),chegando a 42,8 graus Celsius (Cº), a prefeitura prepara um plano para lidar com eventuais ondas de calor.

Comum na Europa, o fenômeno aumenta problemas de saúde, ocasionando, principalmente, a mortalidade de idosos e crianças. Este ano, na Índia e no Paquistão, as ondas de calor elevaram os termômetros para 45ºC, matando cerca de 3 mil pessoas.

Rio de Janeiro tem registrado recordes de temperaturas verão após verão
Rio de Janeiro tem registrado recordes de temperaturas verão após verão
Foto: Agência Brasil

Como a previsão da meteorologia indica que as temperaturas não sairão da casa dos 40 Cº neste verão, com tendência de aumento para os próximos anos, reflexo das mudanças climáticas, o programa Rio Resiliente quer diminuir os impactos do calor na saúde, esclarecendo e estimulando a hidratação, por meio da ingestão de líquidos, e preparando unidades de saúde.

“ É basicamente uma questão de informar à população, atender os idosos, que geralmente moram sozinhos, e garantir que equipamentos públicos estejam preparados”, esclareceu o economista Sérgio Besserman, presidente do Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos.

Sob a coordenação do Centro de Operações, o projeto mapeou inicialmente as áreas mais quentes e agora está focado na criação de procedimentos no caso de Rio registrar o fenômeno.

“ Embora não tenhamos qualquer informação sobre o fenômeno de ondas de calor por aqui , sabemos que será um verão sujeito ao imprevisível, como ocorreu no Hemisfério no Norte”, lembrou Besserman .

De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), por causa do El Niño – fenômeno que aquece as águas do oceano Pacífico e descontrola o clima –, a tendência é que o calor não diminua, mesmo em estações mais amenas, como o inverno.

“Tivemos um outono bastante quente, com temperatura média de 35º, inverno com alta de 40º, em 18 de setembro, e a agora recorde atrás de recorde,” destacou a meteorologista Marlene Leal de Almeida Souza.

O aumento das temperaturas é uma das consequências do aquecimento global, causada pela emissão de gases do efeito estufa. Além de descontrolar o clima, potencializa a transmissão de doenças como malária e leishmaniose e gera alergias e estresse, segundo relatório que será apresentado em Paris, em novembro, durante a Conferência do Clima.

O documento projeta aumento na temperatura de até 3,4 graus Celsius (Cº) até 2080, no Rio de Janeiro, e de 3,9% em São Paulo , n a média mundial, que deve variar entre 1º C e 4º C. A cidade mais quente da América Latina deverá ser a Cidade do México, com alta de 4,2°C.

 

Agência Brasil Agência Brasil
Publicidade
Publicidade