PUBLICIDADE

Cientistas mantêm computador ligado por um ano com energia de algas

Segundo eles, sistema "tem potencial como uma maneira confiável e renovável de alimentar pequenos dispositivos".

15 mai 2022 14h31
ver comentários
Publicidade
Alga coleta energia do sol através da fotossíntese que gera uma corrente elétrica
Alga coleta energia do sol através da fotossíntese que gera uma corrente elétrica
Foto: Universidade de Cambridge / BBC News Brasil

Cientistas da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, usaram algas para manter um computador ligado continuamente por um ano.

Segundo a instituição, o sistema tinha um tamanho semelhante a uma bateria AA e continha uma espécie não tóxica de alga azul-esverdeada chamada synechocystis.

A alga "colhe naturalmente a energia do sol através da fotossíntese", disse a universidade.

Os pesquisadores acreditam que o sistema "tem potencial como uma maneira confiável e renovável de alimentar pequenos dispositivos".

Eles disseram que o sistema foi feito de "materiais comuns, baratos e amplamente recicláveis".

"Isso significa que pode ser facilmente replicado centenas de milhares de vezes para alimentar um grande número de pequenos dispositivos como parte da Internet das Coisas", afirmaram.

A Internet das Coisas é uma vasta e crescente rede de dispositivos eletrônicos que usam uma pequena quantidade de energia que coleta e compartilha dados em tempo real via internet, como smartwatches.

A corrente elétrica gerada pela fotossíntese interage com um eletrodo de alumínio que é usado para alimentar o microprocessador.

O professor Christopher Howe, do departamento de Bioquímica da Universidade de Cambridge, disse: "Nosso dispositivo fotossintético não funciona como uma bateria porque está continuamente usando luz como fonte de energia".

No experimento, o dispositivo foi usado para alimentar um Arm Cortex M0+, que é um microprocessador amplamente utilizado em dispositivos de Internet das Coisas.

A Arm, empresa de design de microprocessadores com sede em Cambridge, colaborou com os pesquisadores de Cambridge no projeto.

Paolo Bombelli, também do departamento de Bioquímica da Universidade de Cambridge, afirmou: "Ficamos impressionados com a consistência com que o sistema funcionou por um longo período de tempo — pensamos que poderia parar depois de algumas semanas, mas continuou".

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
Publicidade
Publicidade