5 eventos ao vivo

A matemática é vista como abstrata e chata, 'mas nasceu para resolver problemas reais'

Guillermo Ramírez, pesquisador mexicano, desconstrói a ideia de que a física e a matemática são para 'uma elite com habilidades especiais'.

17 out 2020
09h17
atualizado às 09h46
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
'Você não precisa ser alguém muito especial ou inteligente para se dedicar à física ou matemática'
'Você não precisa ser alguém muito especial ou inteligente para se dedicar à física ou matemática'
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Guillermo Ramírez é físico e matemático e, como grande parte dos cientistas, acumula vários títulos - de bacharelado a doutorado.

Mas o que é normal entre pesquisadores pode atrair o olhar curioso de quem não é.

"A tendência é que as pessoas te admirem, como se você fosse um animal raro ou alguém muito especial, com uma vida muito diferente da delas. Mas não é verdade", diz Ramírez à BBC News Mundo, serviço em espanhol da BBC.

"Não é preciso ser alguém muito especial ou muito inteligente para se dedicar à física ou matemática. São habilidades ou competências que podem ser desenvolvidas, assim como quando você pratica um esporte", acrescenta.

Essa ideia socialmente estabelecida de que a física e a matemática são para "uma elite com habilidades especiais", explica o mexicano, é algo que gera problemas práticos no dia a dia, além de inibir possíveis carreiras em duas áreas de trabalho altamente necessárias em meio à quarta revolução industrial.

Estes são alguns temas que o professor e pesquisador do Instituto de Matemática da Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM) abordou na palestra "Matemática Viral" durante o Hay Festival Querétaro, realizado digitalmente de 2 a 7 de setembro deste ano.

Nem abstrato, nem distante

Ramírez é especialista em uma área da física chamada teoria da matéria condensada, "um campo bastante amplo que estuda as propriedades da matéria em sua fase sólida, líquida e gasosa, tanto a nível macroscópico quanto microscópico", explica.

Na última década, ele começou a aplicar seus conhecimentos em matéria condensada e matemática para estudar a evolução de tumores malignos, sobretudo como o microambiente e o metabolismo influenciam o desenvolvimento do câncer de mama.

Guillermo Ramírez é professor e pesquisador do Instituto de Matemática da Universidade Nacional Autônoma do México
Guillermo Ramírez é professor e pesquisador do Instituto de Matemática da Universidade Nacional Autônoma do México
Foto: Arquivo pessoal / BBC News Brasil

Esse é apenas um exemplo de como um campo que pode parecer teórico e distante tem implicações profundas na vida das pessoas.

Até a matemática, que segundo Ramírez é geralmente ensinada e, portanto, percebida como abstrata e chata, "nasceu para resolver problemas reais".

Talvez o exemplo mais simples seja o da origem da aritmética diante da necessidade de um fazendeiro contar suas cabras - e depois trocar algumas delas por outros produtos, como maçãs.

Mas mesmo aquelas áreas que parecem desconectadas da vida cotidiana podem acabar transformando-a radicalmente.

É o caso da física (ou mecânica) quântica, diz ele, que estuda a natureza em escala atômica e subatômica, ou seja, o mundo das dimensões reduzidas e suas leis, muito diferentes daquelas que regem o mundo que somos capazes de enxergar.

"O desenvolvimento da mecânica quântica no início do século passado deu origem ao estudo do estado sólido da matéria, o que levou à invenção do transistor, dos microprocessadores, dos microchips, do computador, da internet", explica o pesquisador.

"Sem a mecânica quântica", acrescenta ele, "não viveríamos da forma como vivemos".

"Não teríamos telefones celulares e não estaríamos fazendo esta entrevista (via vídeoconferência) que, no início dos anos 1960, seria considerada história de ficção científica."

"Nesta pandemia, se não fosse a quarta revolução industrial, estaríamos como na Idade Média durante a Peste Negra", resume.

A revolução 4.0

A chamada quarta revolução industrial ou 4.0 não implica na chegada de novos desenvolvimentos em si, mas na convergência entre as tecnologias digitais, físicas e biológicas, segundo o Fórum Econômico Mundial, que possui um centro dedicado ao tema.

Esta é uma mudança importante em relação às três revoluções industriais anteriores.

Na primeira, ocorrida entre meados dos séculos 18 e 19, houve a transição da produção manual para a mecanizada.

"Foi impulsionada pela criação do motor a vapor e, com ele, de máquinas e utensílios que facilitaram a produção de determinados insumos", afirma.

A segunda revolução industrial, por sua vez, "aconteceu quando essa produção de bens passou a ser feita em massa nas fábricas". Naquele momento, o uso da eletricidade foi fundamental.

Já terceira teve início apenas em meados do século 20, marcada pelo desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação, da eletrônica e do início da automatização de alguns aspectos da produção industrial.

"Na quarta revolução industrial, no entanto, a tendência é automatizar tudo nas linhas de produção", explica Ramírez. É alcançar a independência da mão de obra humana.

Para isso, conceitos como internet das coisas, computação em nuvem e inteligência artificial se tornam imprescindíveis.

'As pessoas vão precisar se preparar para parar de trabalhar com as mãos e migrar para a internet'
'As pessoas vão precisar se preparar para parar de trabalhar com as mãos e migrar para a internet'
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Em outras palavras, áreas que exigem formação em matemática, física e engenharia, diz Ramírez.

Mas o pesquisador não se refere apenas a mudanças nas fábricas, em que uma linha de produção é operada à distância.

Ele também destaca os avanços da telemedicina, inclusive a realização de cirurgias de forma remota, com robôs controlados por um médico localizado a milhares de quilômetros do centro cirúrgico.

As quarentenas impostas no mundo todo em decorrência da pandemia de covid-19 aceleraram, por sua vez, essa revolução, diz ele, uma vez que naturalizaram o trabalho remoto em uma ampla variedade de áreas.

As carreiras de hoje

"Um dos grandes problemas dessa revolução e das anteriores é que as pessoas que não têm preparação suficiente vão ficar para trás e vão acabar subempregadas ou desempregadas", alerta Ramírez.

"Muitos governos populistas chegaram ao poder prometendo devolver as fábricas aos seus países. E embora isso ainda exista um pouco, a tendência é que tudo seja automatizado."

Por isso, "as pessoas vão precisar se preparar para deixar de trabalhar com as mãos e migrar para a internet".

Deste modo, Ramírez enfatiza que a física e a matemática não são abstratas, chatas ou para mentes brilhantes. São, essencialmente, tudo que nos rodeia.

*Esta reportagem faz parte do Hay Festival Querétaro, encontro de escritores e pensadores que aconteceu digitalmente, devido à pandemia, de 2 a 7 de setembro de 2020.

Veja também:

Como era ser uma criança negra na Alemanha pós-guerra
BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade