0

"Vende essa p...", diz Guedes sobre o Banco do Brasil

Em reunião com Bolsonaro, ministro defendeu a privatização do banco porque, segundo ele, governo "não consegue fazer nada" lá

23 mai 2020
07h31
atualizado às 10h29
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Na reunião de 22 de abril, o ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu a privatização do Banco do Brasil. Segundo ele, embora um liberal, Rubem Novaes, comande a instituição, o governo "não consegue fazer nada" lá. "Tem que vender essa porra logo", disse Guedes, no encontro. O economista também recorreu a palavrões ao falar sobre como a legalização do jogo pode ajudar o turismo. "Aquilo não atrapalha ninguém. Deixa cada um se foder. do jeito que quiser. Principalmente se o cara é maior, vacinado e bilionário."

Ministro da Economia, Paulo Guedes
27/04/2020
REUTERS/Ueslei Marcelino
Ministro da Economia, Paulo Guedes 27/04/2020 REUTERS/Ueslei Marcelino
Foto: Reuters

Para Guedes, o Banco do Brasil "não é tatu nem cobra, porque ele não é privado, nem público". "Se for apertar o Rubem, coitado. Ele é super liberal, mas se apertar ele e falar: 'Bota o juro baixo', ele: 'Não posso, senão a turma, os privados, meus minoritários, me apertam'. Aí se falar assim: "bota o juro alto", ele: 'não posso, porque senão o governo me aperta'. O Banco do Brasil é um caso pronto de privatização", afirmou o ministro.

Em seguida, Bolsonaro brincou que seria preciso dispensar o presidente do Banco do Brasil na próxima reunião. Novaes afirmou que o povo vê o BB como um "porto seguro". Durante a conversa, Guedes também brinca que o presidente do banco deveria "confessar o seu sonho" de privatizar a estatal.

Essa não é a primeira vez que o ministro ataca os bancos públicos. Em maio de 2019, afirmou então que a função de um banco público era passar seu excesso de receita para taxas de juros menores e não dar lucro como uma instituição privada. "Se é pra dar lucro, privatiza logo. Pra que eu vou ter um banco com 21 mil agências no Brasil todo para dar lucro máximo? Se for pra isso, privatiza, vende, funde com o Banco do Brasil", disse Guedes, mencionando a Caixa Econômica Federal.

Em sua fala, o ministro ainda expôs desentendimentos com integrantes do governo que defendiam um programa de obras para solucionar a crise da pandemia do coronavírus. Para Guedes, o Programa Pró-Brasil é "um desastre". Ele criticou governadores que estão "querendo fazer a festa", e ministros "querendo aparecer". "E todo mundo vem aqui: 'Vamos crescer, agora temos que crescer, tem que ter a resposta imediata, porque o governo vai gastar'. O governo quebrou."

Assista à íntegra da entrevista

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade