PUBLICIDADE

TJ-SP nega pedido de fundo dos EUA para reservar valores da Odebrecht

24 set 2021 13h42
ver comentários
Publicidade

Os desembargadores da 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo negaram nesta quarta-feira, 22, um pedido de reserva de valores na recuperação judicial da Odebrecht feito por fundo de investimentos norte-americano que é parte em ação indenizatória em curso nos Estados Unidos contra a empreiteira. O colegiado manteve decisão de primeiro grau que já havia negado a solicitação.

A avaliação dos magistrados foi a de que o resultado da ação estrangeira e a liquidez da obrigação são incertos. Além disso, os desembargadores consideraram que o pedido de reserva de crédito deve ser dirigido ao juízo da ação individual - em curso nos EUA -, a quem compete ordenar a medida ao juízo da recuperação judicial.

Segundo os autos, a ação indenizatória por danos materiais que tramita em Nova York trata de supostos prejuízos causados por afirmações falsas e enganosas feitas por subsidiária da Odebrecht em emissão de títulos de dívida internacionais. As informações foram divulgadas pelo TJSP.

A empresa estadunidense acionou a Justiça paulista pedindo o reconhecimento de responsabilidade solidária da recuperanda Odebrecht S.A. (ODB), para que esta fosse condenada à indenização por ato ilícito praticado pela subsidiária.

Em 1º grau, juiz João de Oliveira Rodrigues Filho, da 1ª Vara de Falências e Recuperações da Capital, indeferiu o pedido de inclusão do crédito e a consequente participação na Assembleia de Credores das recuperandas.

De acordo com o relator, desembargador Alexandre Lazzarini, embora o processo esteja em trâmite há dois anos em Nova York, ainda se encontra em fase relativamente preliminar, não havendo elementos, até o momento, para se determinar o valor da indenização e se esta de fato ocorrerá.

O magistrado também destacou que a tentativa de obter a reserva de valores apenas com base em declaração do advogado da parte interessada não merece acolhimento, já que a determinação compete ao juízo da ação individual.

Alvo maior da Operação Lava Jato, a Odebrecht fechou acordo de leniência com a União, acerto que foi homologado em julho de 2019 pela 11.ª Vara Federal de Curitiba. Além disso, 77 executivos e ex-executivos da empreiteira celebraram acordos de delação premiada, detalhando, entre outros pontos, o funcionamento da então máquina de propinas da construtora, o Setor de Operações Estruturadas.

Estadão
Publicidade
Publicidade