0

Defesa de Lula pede ao TSE para gravar vídeos de campanha

Ex-presidente quer ser exibido em áudios e vídeos como apoiador da campanha de Fernando Haddad à Presidência

14 set 2018
14h24
atualizado às 14h51
  • separator
  • comentários

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pediu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que o petista possa gravar áudios e vídeos como apoiador da campanha de Fernando Haddad (PT) à Presidência da República, mídias que seriam veiculadas na propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão.

Na petição, os advogados afirmam que é "inegável" que a figura política de Lula "possui força própria e descomunal, sendo plenamente eficaz para formar opinião, seja a seu favor ou em seu detrimento". A ação está sob relatoria do ministro Sérgio Banhos.

Lula em reunião da Executiva Nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), em São Paulo
Lula em reunião da Executiva Nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), em São Paulo
Foto: Ricardo Stuckert/ Instituto Lula / BBC News Brasil

"E, justamente por esta razão, merece o eleitorado brasileiro saber qual a opinião de Lula acerca dos candidatos a Presidente da República, ao Senado, ao Governo dos Estados e do Distrito Federal e aos cargos proporcionais federais e estaduais", afirma a defesa do ex-presidente, preso e condenado na Lava Jato.

O petista teve a candidatura barrada pelo TSE em função da Lei da Ficha Limpa. Na terça (11), o PT oficializou Haddad como candidato à presidência no lugar de Lula.

Os advogados do ex-presidente pedem que, caso o TSE aceite o pedido formulado, a Superintendência da Polícia Federal no Paraná, onde Lula está preso, seja comunicada para dar "efetividade a tais direitos".

"Por consequência, é direito da coligação que visa disputar a campanha presidencial se utilizar de figura política de grande aporte que a apoie para criar identificação com o eleitoral, respeitando-se o limite de 25% previsto em lei", destaca a defesa.

Veja também:

Estadão Conteúdo

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade