0

Cenário: General Mourão não leva polêmicas para casa

Vice é visto como alinhado com o governo, embora tenha ideias próprias e nenhuma dificuldade em apresentá-las

10 fev 2019
05h12
atualizado às 12h01
  • separator
  • comentários

O vice-presidente Hamilton Mourão, chamado de general pelo presidente Jair, fala o que quer — e pensa, pensa bastante. O jeito aguerrido e o jargão da caserna ficam reservados à composição do tipo marcial oferecido ao público. Aos 65 anos, em boa forma, na reserva do Exército desde fevereiro passado, Mourão teve boas experiências na carreira militar.

Presidente Jair Bolsonaro e vice Hamilton Mourão
Presidente Jair Bolsonaro e vice Hamilton Mourão
Foto: Adriano Machado / Reuters

Morou em Washington, foi adido em Caracas, cumpriu o curso de Política e Alta Administração, integrou a Missão de Paz da ONU em Angola, chefiou o Comando Militar do Sul e a Brigada de Infantaria de Selva, na Amazônia. Fluente em inglês, fala espanhol e é um leitor — ultimamente esteve atracado com o livro 'Como as democracias morrem'. O perfil intelectualizado não é, entretanto, de um moderado.

Mourão não leva polêmica para casa. Na campanha, sustentou teses como a da sociologia da família "fábrica de desajustados", aquela em que os filhos crescem sem a presença do pai e a possibilidade assustadora de o presidente, sob o risco de um quadro de caos generalizado no País, desfechar "um autogolpe" de Estado, com apoio das Forças Armadas.

Houve mais, e mais sério: coeleito com Jair e seus 58 milhões de votos, disse acreditar na edição de uma nova Constituição produzida por "notáveis", nomeados para esse fim. Ainda assim, ao longo do tempo, o vice defende a obediência à norma constitucional. Na área de costumes e religião, a pauta é ampla, explosiva até, cobrindo desde o aborto, visto por ele como uma decisão pessoal da mulher, à mudança da embaixada do Brasil em Israel de Tel Aviv para Jerusalém — da qual é crítico.

No círculo dos sete generais que estão no primeiro escalão da administração Bolsonaro, o "amigo Mourão", como se referiu a ele na sexta um desses oficiais, é visto como alinhado com o governo, embora tenha ideias próprias e nenhuma dificuldade em apresentá-las.

"Não há ruído no Planalto, a linha de comando está afinada" afirma um ex-assessor de Mourão, lembrando que os "militares convocados" estão no governo "cumprindo missão", são seguidores, "por formação", da regra da disciplina e da hierarquia. E que o comandante em chefe é Jair Bolsonaro.

Veja também:

 

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade