PUBLICIDADE

Política

Boulos diz que não pretende usar apoio de Lula para polarizar eleições em São Paulo

Apesar de afirmar que não pretende polarizar, Boulos usou confirmação de nome de ex-Rota como vice de Nunes para criticar prefeito em redes sociais

24 jun 2024 - 17h08
Compartilhar
Exibir comentários

Pré-candidato à Prefeitura de São Paulo, o deputado Guilherme Boulos (PSOL) declarou nesta segunda-feira, 24, que não pretende utilizar o apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para polarizar as eleições na capital paulista. Ele também reconheceu que superar o estereótipo de radical associado à sua imagem será seu maior desafio na disputa.

Boulos participou de uma sabatina promovida pela associação Pró-Centro, formada por empreendedores e interessados pela região central de São Paulo. O evento já ouviu a pré-candidata do PSB, deputada Tabata Amaral, e a do Novo, Marina Helena. Também estão previstas rodadas com o prefeito Ricardo Nunes (MDB) e o influenciador Pablo Marçal (PRTB).

Pré-candidato à Prefeitura de São Paulo, o deputado Guilherme Boulos (PSOL) tem o apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na disputa pelo comando da capital paulista.
Pré-candidato à Prefeitura de São Paulo, o deputado Guilherme Boulos (PSOL) tem o apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na disputa pelo comando da capital paulista.
Foto: TABA BENEDICTO/ESTADÃO / Estadão

No evento, o pré-candidato do PSOL disse que seu maior desafio será mudar a ideia de que é radical e desmentir notícias falsas sobre sua atuação no Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST). "Às vezes é mais fácil colocar um meme e um vídeo de 15 segundos do que debater propostas para a cidade", mencionou.

"Infelizmente, vocês vão ouvir muita [fake news] dizendo: 'O Boulos vai nacionalizar a campanha, vai polarizar, e o Lula vai...' O que eu quero discutir na TV, nos debates, é o que discuti hoje com vocês: cidade, proposta, valores e projetos", disse.

Apesar de afirmar que não pretende polarizar a campanha, Boulos usou a confirmação do nome do coronel da PM Ricardo de Mello Araújo como vice de Nunes para criticar o prefeito. Nas redes sociais, disse que a escolha do militar como vice de Nunes indica que o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) terá influência na cidade caso o prefeito seja reeleito.

"O nome do policial foi enfiado goela abaixo de Nunes e seus aliados e é assim que vai ser nos próximos quatro anos se deixarmos São Paulo se transformar numa filial da milícia. Em troca de apoio eleitoral, Nunes é capaz de tudo", escreveu o pré-candidato do PSOL em seu perfil no X (antigo Twitter).

Ex-comandante das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), unidade de elite da PM, Mello Araújo foi escolhido por Bolsonaro para ser o vice de Nunes. Inicialmente, o entorno do prefeito buscava um nome mais moderado para o cargo, mas acabou aceitando a indicação de Bolsonaro devido ao receio de perder o apoio dos eleitores bolsonaristas para Marçal.

A escolha do vice foi uma condição imposta por Bolsonaro para apoiar a reeleição de Nunes. Com isso, há a expectativa de que a disputa pela capital paulista reproduza a polarização entre Lula e Bolsonaro observada em 2022.

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade