1 evento ao vivo

Bolsonaro vai a serviço médico antes do expediente, mas Secom não informa motivo

15 set 2020
10h02
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O presidente Jair Bolsonaro esteve no serviço médico da Presidência da República antes do início do expediente nesta terça-feira, 15, no Palácio do Planalto. A agenda oficial do presidente prevê o primeiro compromisso às 10h, mas o chefe do Executivo já estava no Planalto antes mesmo das 9h em atendimento no serviço médico do local, que fica no anexo da vice-presidência da República.

A Secretaria Especial de Comunicação da Presidência (Secom) confirmou que Bolsonaro esteve no serviço médico do Planalto, mas até a publicação deste texto não havia informado o motivo. No fim de agosto, o presidente afirmou que iria passar por um procedimento para retirar um cálculo na bexiga. Ele, contudo, não chegou a detalhar a data do procedimento.

Hoje, na saída da residência oficial, Bolsonaro parou para falar com apoiadores que o esperavam em frente ao Palácio do Alvorada. Em breve interação, o chefe do Executivo cumprimentou e tirou fotos com populares, além de ouvir uma oração de uma apoiadora. Logo que desceu do carro, pediu que a conversa fosse rápida. "O mais rápido possível, estou atrasado aqui", avisou.

Agenda

Pela agenda oficial, Bolsonaro tem reunião prevista com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. O encontro ocorre um dia depois do governo federal reconhecer a situação de emergência no Estado do Mato Grosso do Sul em decorrência dos incêndios florestais que assolam a região do Pantanal.

Ao longo do dia, o presidente também tem reuniões previstas com os ministros palacianos, Jorge Oliveira (Secretaria-Geral), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), Braga Netto (Casa Civil) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), além do presidente da Embratur, Gilson Machado. O vice-presidente da Câmara, deputado Marcos Pereira (Republicanos-SP), também deve ser recebido pelo presidente para uma reunião com o ministro Luiz Eduardo Ramos, responsável pela interlocução do governo com o Congresso.

A agenda pública de Bolsonaro também prevê a participação do presidente na celebração do Rosh Hashaná, que marca o ano novo judaico. O evento ocorrerá na sede da embaixada de Israel, a partir das 17h, e também deve contar com a presença do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), entre outras autoridades.

Veja também:

Bolsonaro fala em 'cartão vermelho' para quem sugere congelar aposentadorias e enterra Renda Brasil
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade