0

Bolsonaro pede que PSL não mude MP da reforma administrativa

Proposta reformula o governo federal e foi aprovada pela Câmara dos Deputados; medida será votada no Senado

23 mai 2019
20h08
atualizado às 20h19
  • separator
  • comentários

O presidente Jair Bolsonaro pediu nesta quinta-feira que os senadores de seu partido, o PSL, não busquem alterar o texto da Medida Provisória 870, que reformula o governo federal, aprovado pela Câmara dos Deputados e pediu a seus correligionários que contribuam para uma aprovação "relâmpago" da proposta no Senado.

"No meu entender (o Senado) deve aprovar o que foi votado na Câmara dos Deputados e vamos seguir em pautas mais importantes", disse o presidente na transmissão semanal que faz em uma rede social.

Presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia no Palácio do Planalto
21/05/2019 REUTERS/Adriano Machado
Presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia no Palácio do Planalto 21/05/2019 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

O presidente disse ainda que alguns parlamentares de seu partido precisam aprender que não é possível vencer todas as disputas, depois de o governo sofrer uma derrota com a decisão da Câmara de colocar o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) sob comando do Ministério da Economia, e não na pasta da Justiça, como queria o Executivo.

"A minha bancada, o PSL, é uma bancada de parlamentares bastante novos. Alguns ainda acham que têm que ganhar todas, não dá. Vai perder alguma votação, sem problema nenhum, e quem tiver mais voto, leva. Agora, nossa bancada não vai atrapalhar votações, no que depender de mim", disse o presidente.

"Temos que votar semana que vem no Senado. Então, o que eu peço aos meus liderados, do meu partido, que aprovem o que passou na Câmara, numa votação simbólica, relâmpago e toca o barco."

Senadores do PSL já sinalizaram que pretendem apresentar um destaque na votação do Senado para que o Coaf fique no guarda-chuva da Justiça. Caso o texto aprovado na Câmara seja alterado pelos senadores, a matéria terá de retornar à apreciação dos deputados, o que gera o risco de ela caducar, já que perderá validade em 3 de junho se não for aprovada pelas duas Casas.

Inicialmente, a assessoria do líder do governo na Câmara dos Deputados, Major Vitor Hugo (PSL-GO), informou que ele participaria da transmissão ao lado de Bolsonaro. Posteriormente, no entanto, disse que um imprevisto impediu a participação.

Vitor Hugo tem sido o pivô de um descontentamento de parlamentares, principalmente do centrão, com o governo. O líder teve um desentendimento nesta semana com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), durante reunião do colégio de líderes da Casa.

Veja também:

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade