0

Três são investigados por ataque a Bolsonaro, diz Jungmann

Ministro da Segurança Pública afirmou que hipótese de crime político não é descartada; acusado será enquadrado na Lei de Segurança Nacional

7 set 2018
12h44
atualizado às 13h13
  • separator
  • comentários

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, afirmou nesta sexta (7), que três pessoas estão sendo investigadas por suposta participação no ataque com faca contra o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL). Adelio, que foi preso após assumir a autoria do crime, será enquadrado na Lei de Segurança Nacional.

Até então, a informação disponível era de que duas pessoas eram investigadas: o autor da facada e outro indivíduo por "incitar a violência", segundo a polícia. Adelio Bispo de Oliveira, o agressor, está preso em Juiz de Fora. Já a outra pessoa foi liberada na manhã desta sexta, mas continua investigada. Segundo Jungmann, Bolsonaro tem um efetivo de 21 policiais federais à disposição e, na ocasião, 13 agentes estavam com o candidato.

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann 
O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann
Foto: Tania Rego/Agência Brasil / Estadão Conteúdo

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Sérgio Etchegoyen, disse que não está descartada nenhuma possibilidade nas investigações do ataque. Etchegoyen afirmou que os cuidados com a segurança do presidente Michel Temer serão redobrados após o ataque. "A prudência é melhor remédio", disse.

O general disse ainda que o que aconteceu com Bolsonaro foi uma monstruosidade e que a radicalização vai destruir nossa democracia. Ele ressaltou que é importante que o jogo democrático se faça na normalidade e que a violência não ajudará.

"Não é possível que uma campanha tão importante seja reduzida a facadas, tiros e ofensas. Que cada um coloque a mão na consciência e todos trabalhem para pacificação", completou.

Veja também:

 

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade