0

Brasil entra na rota do tráfico de haitianos para países vizinhos

5 abr 2013
15h50
atualizado às 15h50
  • separator
  • comentários

Pela primeira vez a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos do Acre e a Polícia Federal conseguiram comprovar que o Brasil entrou na rota do tráfico de haitianos para outros países. Nessa semana, em operação conjunta da secretaria e da PF no Aeroporto de Rio Branco, foram detidos um adolescente haitiano de 14 anos e o conterrâneo Inocente Olibrice, maior de idade. Olibrice, que atuava como "coiote", embarcaria com o adolescente para a Guiana Francesa e, em contrapartida, receberia 500 euros pelo tráfico.

O secretário de Justiça e Direitos Humanos, Nilson Mourão, disse à Agência Brasil que as investigações em parceria com a PF tiveram início há 30. Segundo ele, depois de Inocente confessar em depoimento na Polícia Federal que fazia tráfico de imigrantes do Haiti, ele foi recolhido para a penitenciária da capital acriana, onde ficará detido enquanto responder a processo por tráfico de seres humanos e estelionato.

O adolescente está sob a guarda da Secretaria de Direitos Humanos e foi encaminhado de volta ao abrigo, em Brasileia (AC), onde outros 1,1 mil haitianos aguardam regularização, pela Polícia Federal, da entrada ilegal no Brasil. Nilson Mourão informou que o governo do Acre tenta contato com os familiares do jovem no Haiti e na Guiana Francesa para que possam buscá-lo.

O secretário disse que o governo do Estado já acompanhava os passos de Inocente Olibrice há algum tempo. Legalizado no Brasil, o haitiano foi identificado fazendo a rota entre Brasileia e Rio Branco com frequência. Na capital, ele adotou a estratégia de convencer os haitianos que tirariam a Carteira de Trabalho a partirem para a Guiana ilegalmente onde ganhariam em euros. Ao mesmo tempo, o coiote cobrava uma espécie de pedágio para o envio dos compatriotas ao outro país.

"Esse foi o primeiro coiote identificado e preso em Rio Branco. A prisão do Inocente só confirma a nossa tese que essa imigração também é organizada por coiotes que atuam no Brasil. As pernas desses traficantes de seres humanos têm que ser cortadas para estancar isso", destacou Mourão. O secretário acrescentou que a ação dos coiotes só será "estancada" com ações conjuntas dos governos do Brasil, Bolívia, Peru e Equador.

Em novembro de 2012, quando a reportagem da Agência Brasil esteve em Brasileia e Rio Branco para acompanhar a imigração ilegal haitiana, o tráfico humano foi denunciado pelo pároco Onac Axenat, missionário da Sociedade dos Sacerdotes de São Tiago (SSST), da Igreja Católica. O padre disse que cada imigrante de seu país gasta até US$ 4 mil "para se submeter a uma rede de tráfico" comandada por coiotes que atuam em Porto Príncipe, capital haitiana.

Agência Brasil Agência Brasil

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade