0

Médium João de Deus vira réu por violação sexual e estupro de vulnerável

9 jan 2019
14h24
  • separator
  • comentários

A juíza Rosângela Rodrigues dos Santos, da comarca de Abadiânia (GO), aceitou denúncia contra o médium João Teixeira de Faria, conhecido como João de Deus, e com isso ele se torna réu e responderá a processo em que é acusado por violação sexual mediante fraude e estupro de vulnerável, informou nesta quarta-feira o Tribunal de Justiça de Goiás.

Médium João de Deus após ser preso pela polícia de Goiás 16/12/2018  REUTERS/Metropoles/Igo Estrela
Médium João de Deus após ser preso pela polícia de Goiás 16/12/2018 REUTERS/Metropoles/Igo Estrela
Foto: Reuters

O médium de 76 anos, que está preso desde o mês passado, é acusado de praticar os crimes contra quatro vítimas na denúncia aceita pela Justiça, de acordo com o Ministério Público de Goiás. Os promotores afirmam que dois dos casos foram de violação sexual mediante fraude e os outros dois por estupro de vulnerável.

Outros casos ainda estão sob investigação de uma força-tarefa formada para apurar as alegações apresentadas por mulheres, que podem resultar em outras denúncias criminais. O médium está preso desde 16 de dezembro, quando se entregou à polícia.

O advogado Alberto Zacharias Toron, que representa o médium, disse que ainda não foi notificado da decisão e afirmou confiar na Justiça.

"Ainda não fui cientificado da decisão. De qualquer modo, é importante esclarecer que se trata de uma decisão provisória, sujeita a confirmação após a apresentação da resposta à acusação. Estamos serenos e confiamos na Justiça", disse o advogado em mensagem à Reuters.

João de Deus, conhecido no Brasil e no exterior pelos atendimentos mediúnicos e cirurgias espirituais que realiza há mais de 40 anos, é alvo de acusações feitas por centenas de mulheres de dentro e de fora do Brasil que vão desde toques inadequados até a consumação de relações sexuais não consensuais.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade