1 evento ao vivo

Fachin retira sigilo de delações de Santana e Mônica Moura

11 mai 2017
15h08
atualizado às 15h09
  • separator
  • comentários

O ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), retirou o sigilo das delações premiadas do casal de publicitários João Santana e Mônica Moura, bem como de André Santana, auxiliar de ambos. Os acordos haviam sido homologados - tornados juridicamente válidos - no início de abril.

Brasília - O ministro Luiz Edson Fachin retirou o sigilo das delações do casal de publicitários João Santana e Mônica Moura
Brasília - O ministro Luiz Edson Fachin retirou o sigilo das delações do casal de publicitários João Santana e Mônica Moura
Foto: Agência Brasil

Os depoimentos dos três deram origem a 22 petições protocoladas pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, junto ao STF. É possível que os documentos sejam solicitações para a abertura de novos inquéritos contra pessoas com foro privilegiado na Corte, embora possam também se referir a outros tipos de providências.

O teor dos depoimentos ainda não foi disponibilizado no sistema do STF, mas deve ser divulgado em breve.

No mesmo despacho em que retirou o sigilo, datado de ontem (10) e divulgado nesta quinta-feira (11), Fachin deferiu também o pedido para a abertura de contas judiciais, que em geral são utilizadas para a devolução de dinheiro obtido de forma ilícita, uma das condições que costumam acompanhar os acordos de colaboração.

João Santana e Mônica Moura foram os marqueteiros responsáveis pelas campanhas eleitorais de Dilma Rousseff à Presidência em 2010 e 2014. Em depoimento ao juiz Sérgio Moro, no mês passado, ambos afirmaram terem sido pagos pelos serviços por meio de caixa dois. O dinheiro teve como origem a Odebrecht.

O casal disse ter recebido ao menos R$ 15 milhões entre 2010 e 2011 como pagamentos não registrados para a campanha do PT ao Planalto.

Veja também

Agência Brasil Agência Brasil

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade