1 evento ao vivo

Juro precisa ser menor que os lucros, diz Haddad

11 out 2018
21h21
  • separator
  • comentários

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, disse nesta quinta-feira que o Banco Central em seu governo terá como tarefa, além de controlar a inflação, realizar uma reforma bancária que terá que garantir que os juros sejam menores que os lucros dos empresários.

Candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad 08/10/2018 REUTERS/Rodolfo Buhrer
Candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad 08/10/2018 REUTERS/Rodolfo Buhrer
Foto: Reuters

O programa do PT propõe uma reforma bancária em que haverá uma taxação sobre os bancos para estimular a redução do chamado spread bancário --diferença entre o juro pago quando os bancos captam os recursos e o juro cobrado dos clientes nos empréstimos.

"Não vai dar para só trabalhar a questão de redução da inflação com juros ao consumidor e ao empresário nesse nível", disse Haddad em entrevista à TV Band. "Temos que fazer no Brasil o que fez o mundo inteiro: o juro tem que ser menor que o lucro."

Questionado sobre quem seria o presidente do Banco Central, Haddad admitiu que poderia ser alguém do setor bancário ou alguém do mercado financeiro, mas que aceite fazer a reforma que está nos planos do PT.

"Alguém que entende de banco, pode (ser alguém do mercado), para controlar a inflação e reduzir os juros para o tomador. Não basta reduzir os juros para quem empresta, para quem toma nós temos que reduzir os juros", disse.

O petista ressaltou, no entanto, que esse não seria o perfil do seu ministro da Fazenda. Repetiu, mais uma vez, que não quer um banqueiro no cargo, mas alguém ligado à produção.

PREVIDÊNCIA

Haddad disse ainda que deverá cuidar, no primeiro ano de governo, caso seja eleito, de uma reforma da Previdência no setor público.

O petista disse que pretende negociar com os servidores públicos, mostrando que a Previdência de alguns Estados quebrou e é necessário mudar para manter o sistema em dia.

"No primeiro ano nós vamos só mexer no regime público e depois nós vamos propor a convergência dos dois regimes para um só, e aí vamos discutir todas as variáveis do modelo", afirmou.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade