0

Grávida de 7 meses morre por gripe em SP; bebê é salvo

24 jul 2009
18h23
atualizado às 19h08

A prefeitura de Cosmópolis (SP), região de Campinas, confirmou hoje que uma mulher de 20 anos, grávida de 7 meses, morreu vitima da gripe suína no último dia 20. O bebê nasceu prematuro e não se contaminou com a gripe, mas continua internado no Centro de Atendimento Integral de Saúde a Mulher (Cais) do Hospital das Clinicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). A Secretaria do Estado de Saúde informou que subiu para 16 o número de mortes pela doença em São Paulo.

Criança usa máscara enquanto aguarda atendimento em hospital de Ribeirão Preto (SP)
Criança usa máscara enquanto aguarda atendimento em hospital de Ribeirão Preto (SP)
Foto: F.L. Piton/A Cidade / Futura Press

» Veja que cuidados tomar com a gripe suína
» Sesi-SP prorroga férias de 150 mil alunos
» OMS confirma cerca de 800 mortes
» Governo reunirá especialistas para debater gripe

A jovem havia sido internada no Cais no dia 16 com um quadro de pneumonia. Segundo a assessoria de imprensa da prefeitura, esse é o único caso de gripe e não há nenhum doente suspeito na cidade.

A família da vítima continua sendo monitorada pelos técnicos de saúde, apesar de já estar fora do período de incubação do vírus. Esse é o quarto caso de morte confirmada pela gripe suína na região metropolitana de Campinas.

Nesta sexta-feira, o Ministério da Saúde corrigiu o número de mortes confirmadas no País em consequência da Influenza A (H1N1) das 34 anunciadas ontem para 29. Mas, com mais quatro mortes confirmadas em Campinas (SP) nesta sexta-feira, o número de vítimas fatais da doença em todo o País chega a 33.

Férias prorrogadas
As férias escolares do ensino estadual e municipal foram prorrogadas para mais uma semana nos 19 municípios que compõem a região metropolitana de Campinas. As aulas retornam no dia 3 de agosto e não mais na segunda feira, dia 27 de julho.

A mudança foi decidida nesta tarde após reunião entre os representantes das escolas e dos órgãos de saúde da região metropolitana. Segundo o secretário municipal de saúde de Campinas, José Francisco Kerr Saraiva, esse período será importante para os professores serem melhor informados sobre a doença e quais os procedimentos dentro da sala de aula. E ainda para os técnicos de saúde analisarem se houve avanço ou não da doença.

Fonte: Especial para Terra
publicidade