1 evento ao vivo

Executivos alemães deixam o Brasil

7 dez 2017
12h48
atualizado às 13h12
  • separator
  • comentários

Crise econômica aumenta pressão de matrizes por vendas e lucro. Sob estresse, expatriados que trabalham em setores como automotivo e de máquinas pedem para ser transferidos na tentativa de não "manchar" suas carreiras.Quando a economia do Brasil crescia, a fila de executivos alemães se candidatando a um posto em filiais de grandes empresas no país era longa. Desde o início da crise econômica, em 2014, esse panorama se inverteu: muitos deles, principalmente dos setores automotivo e de máquinas, pediram para deixar o país devido à pressão psicológica e à preocupação com a família e para que a crise não "manchasse" suas carreiras.

Pressão de matrizes é motivo de estresse para executivos expatriados
Pressão de matrizes é motivo de estresse para executivos expatriados
Foto: DW / Deutsche Welle

Estudos da empresa InterNations refletem bem a situação: o Brasil perdeu muitas posições quando se trata de "felicidade pessoal" de expatriados. Em 2014, o país estava na 10ª colocação (de 61 países); em 2015, caiu 26 posições - para a 36ª (de 64); em 2016, subiu uma posição, para a 35ª (mas entre 67 países) e, em 2017, caiu dez posições, para a 45ª (entre 65 nações).

Leia também: "Má gestão econômica também sabota democracia"

"Devido à péssima situação econômica no Brasil, existe uma grande pressão por parte das matrizes na Alemanha", disse Hans J. Zeese, diretor da consultoria BoaVista Executive Consultants, à DW. "Há casos também em que as próprias matrizes substituem seus executivos no Brasil para tentar 'dar a volta por cima' e colocar a filial no país novamente em rota de crescimento de vendas e lucro."

Para Frank P. Neuhaus, diretor da consultoria iManagementBrazil, muitos alemães enviados por suas matrizes para o Brasil durante o período de crescimento econômico não desenvolveram uma compreensão das rápidas mudanças que estavam ocorrendo no país. "Eles não perceberam que o boom estava chegando ao fim e, junto com ele, o potencial de suas carreiras no país."

Ele diz que, muitas vezes, os benefícios muito generosos pagos aos expatriados são um "vidro opaco", que impede os executivos de perceber rapidamente a dinâmica de altos e baixos do país. Além disso, muitos desses profissionais nunca vivenciaram uma crise em suas carreiras de executivos e não sabem, portanto, como lidar com ela.

"Na maioria das vezes, a reação é sempre cortar custos e demitir funcionários. Porém, isso não resolve o problema, e a pressão das matrizes sobre as filiais só aumenta", conta Neuhaus. "Isso gera um estresse extremo nos expatriados alemães e em suas famílias. E o estresse familiar é um multiplicador para que os executivos queiram, o mais rapidamente possível, abandonar o país."

Movimento continua apesar de reação da economia

Apesar de o Brasil já ter passado pelo ápice da crise - tendo dois anos seguidos de queda no Produto Interno Bruto (PIB) e só apresentando uma pequena reação a partir do primeiro trimestre de 2017 -, analistas especializados em recrutamento dizem que esse movimento de gestores pedindo para deixar o país continua intenso.

E isso é reforçado pelos estudos da InterNations, que mostram que o Brasil perdeu a atratividade para os expatriados. Em 2014, o país era o 42º principal destino (de 61 pesquisados). No ano seguinte, perdeu 15 posições e ficou na 57ª colocação (entre 64). Em 2016, passou para a 64ª posição (de 67) e, em 2017, ficou na 62ª colocação (do total de 65 nações pesquisadas).

Os especialistas afirmam que quase todas as áreas econômicas são afetadas pelo movimento de executivos alemães pedindo a volta para a Alemanha ou sendo mandados pela matriz para outras filiais mundo afora. Porém, os setores mais vulneráveis a esse movimento são o automobilístico e de máquinas e equipamentos, que são mais sensíveis a créditos e financiamentos caros - ainda mais em tempos de crise.

"Dessa forma, os principais afetados pela crise são as indústrias de bens de investimento, como a de máquinas e equipamentos. Quem consegue oferecer taxas de financiamento competitivas se mantém na vanguarda", diz Zeese. "Por outro lado, setores de bens de consumo, como o agrário e o de cuidados com a saúde, apresentam menos dificuldades."

Repatriados não recebem mesma posição

Os analistas afirmam que os executivos não recebem sanções por terem pedido para voltar para a Alemanha ou ir para outra filial. Mas, geralmente, os repatriados não recebem na matriz ou em outras empresas do grupo a mesma posição de liderança que tinham no Brasil. E não se trata de uma punição aos ex-expatriados, garantem os especialistas.

"Geralmente, por ter pedido para voltar, esse executivo tem que fazer concessões quanto à sua futura posição na Alemanha ou em outras filiais da empresa no mundo", diz Neuhaus. "Não se trata de uma punição. Muitas vezes não há espaço suficiente nas matrizes para dar ao repatriado uma posição de liderança adequada."

Para Zeese, o executivo deve estar preparado para ajustar seu plano de carreira à situação vivenciada. Ele frisa que Brasil e outros países da América Latina sempre tiveram uma dinâmica intensa, e que isso não mudará tão cedo. É apenas uma questão de tempo até que a economia brasileira volte a crescer de forma acentuada, diz. Assim, os executivos brasileiros teriam grande chance de obter posições nas grandes multinacionais - sejam elas alemãs ou não.

"Sem dúvida, serão sempre necessários especialistas ou, sobretudo, diretores financeiros (CFOs) alemães no país. Mas as posições ocupadas por expatriados irão diminuir no longo prazo", prevê Zeese. "A principal razão é a clara relação custo-benefício de se trazer um executivo alemão para o Brasil e, além disso, a crescente disponibilidade de líderes locais com experiência e formação de primeira classe no país."

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Deutsche Welle A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade