0

Desmatamento na Amazônia caiu 16%, afirma governo

17 out 2017
18h23
atualizado em 18/10/2017 às 04h37
  • separator
  • 0
  • comentários

Dados do Inpe se referem ao período entre agosto de 2016 e julho deste ano. Apesar da queda, área desmatada foi de 6.624 km². Após críticas, ministro do Meio Ambiente diz que não há retrocesso ambiental na gestão Temer.O governo federal anunciou nesta terça-feira (17/10) que a taxa de desmatamento na Amazônia caiu 16% entre agosto de 2016 e julho deste ano, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), órgão vinculado ao Ministério de Ciência e Tecnologia.

Apesar da redução, o desmatamento segue expressivo: o total de área desmatada nesse período foi de 6.624 quilômetros quadrados, sendo a maior parte nos estados do Pará, com 2.413 quilômetros quadrados, e do Mato Grosso, com 1.341 quilômetros quadrados.

Além dos dois estados, os dados também se referem a Acre, Amazonas, Amapá, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins, que compõem a região da Amazônia Legal.

No ano anterior, entre agosto de 2015 e julho de 2016, o desmatamento havia aumentado 19%, também segundo o Inpe. A área desmatada naquele período foi de 7.893 quilômetros quadrados.

De acordo com o instituto de pesquisas, os números atuais representam uma queda de 76% em comparação com os registrados em 2004, ano em que foi lançado o chamado Plano para Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia - pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva -, em prática até hoje.

Para realizar o mapeamento, o Inpe utiliza imagens captadas por satélites. Os pesquisadores consideram áreas desmatadas aquelas onde a floresta primária foi retirada de forma completa.

Em pronunciamento à imprensa nesta terça-feira, o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, comemorou os números e afirmou que a redução do desmatamento é resultado da atuação do governo federal.

O político rebateu as críticas de diversas entidades ambientais, que afirmam que a gestão do presidente Michel Temer tem sido responsável por retrocessos na política ambiental, principalmente após a decisão de extinguir uma reserva nacional na Amazônia e liberá-la para exploração.

"Podemos dizer com certeza que não houve um retrocesso ambiental nesta gestão", declarou Sarney Filho ao anunciar os últimos dados do Inpe.

Em agosto, Temer assinou um decreto que extinguiua chamada Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca), após ficar mais de 30 anos fechada à atividade de mineração. A área é rica em ouro, entre outros minerais, e possui cerca de 47 mil quilômetros quadrados.

A decisão se tornou alvo imediato de indignação, e, após muita pressão de entidades ambientais e da população, o presidente decidiu revogar o decretocerca de um mês mais tarde.

EK/ots

Deutsche Welle A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade