0

Rede vai pedir Segovia na CCJ por declarações sobre Temer

Diretor da PF disse que não há indício de crime e sugeriu que delegado responsável pode ser investigado por perguntas que fez ao presidente

14 fev 2018
15h10
atualizado às 16h56
  • separator
  • comentários

O deputado Alessandro Molon (Rede-RJ) anunciou que vai apresentar na próxima segunda-feira um requerimento para convocar o diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, a fim de que ele explique declarações feitas em entrevista à Reuters que, entre outros pontos, indicaram que o chamado inquérito dos portos que envolve o presidente Michel Temer pode ser arquivado por falta de provas.

Fernando Queiroz Segovia Oliveira, diretor da Polícia Federal
Fernando Queiroz Segovia Oliveira, diretor da Polícia Federal
Foto: Reuters

Na entrevista, o diretor-geral da PF disse que até o momento não há indício de crime contra Temer e ainda sugeriu que o delegado responsável pelo caso, Cleyber Malta Lopes, pode ser alvo de investigação interna pelas perguntas que ele fez ao presidente.

"No final a gente pode até concluir que não houve crime. Porque ali, em tese, o que a gente tem visto, nos depoimentos as pessoas têm reiteradamente confirmado que não houve nenhum tipo de corrupção, não há indícios de realmente de qualquer tipo de recurso ou dinheiro envolvidos. Há muitas conversas e poucas afirmações que levem realmente a que haja um crime", disse Segovia à Reuters na sexta-feira.

O requerimento de Molon é para que Segovia se manifeste na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara.

"Estou apresentando requerimento à CCJ a presença do mesmo para que tente explicar o que quis dizer ou pelo menos se retrate do absurdo que disse", afirmou Molon.

O deputado disse que, caso Segovia não atenda o requerimento, vai pedir a convocação do ministro da Justiça, Torquato Jardim, superior hierárquico do diretor-geral da PF a fim de "tentar desfazer o mal-estar" pelas declarações.

Veja também:
 

 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade