1 evento ao vivo

Senador denuncia Carrefour a Conselho de Direitos Humanos por morte de homem negro

Fabiano Contarato também apresentou voto de repúdio contra a rede de supermercados

20 nov 2020
15h07
atualizado às 17h04
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O senador Fabiano Contarato (Rede-ES) anunciou que entrou com uma denúncia no Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH) contra o Carrefour. Foi em uma das lojas do grupo que João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, foi espancado até a morte em Porto Alegre. Um dos agressores era segurança do local, pela empresa Vector, e o outro, um policial militar temporário.

Vídeo compartilhado nas redes sociais mostra agressões a homem negro no estacionamento do Carrefour
Vídeo compartilhado nas redes sociais mostra agressões a homem negro no estacionamento do Carrefour
Foto: Twitter/Reprodução / Estadão

O caso também fez com que o senador Paulo Paim (PT-RS), presidente da Comissão de Direitos Humanos, convidasse o Carrefour para participar de uma live sobre aperfeiçoamento do sistema de justiça no combate ao racismo institucional na tarde desta sexta-feira. Paim afirma que há meses recebe notícias da imprensa sobre violência, intolerância e discriminação racial acontecidas nas dependências do Grupo Carrefour". Até o momento, nenhum representante do Carrefour confirmou presença.

"Não é por acaso que, no Dia da Consciência Negra, o Brasil se choque com o assassinato brutal de uma pessoa negra, realidade cruel que reflete uma sociedade racista e um Estado que, omisso, estimula a barbárie. Nossa solidariedade à família da vítima. E condenação efetiva para os criminosos", afirmou Contarato em nota. O senador também apresentou, no Senado, voto de repúdio contra o Carrefour.

Contarato pede que o CNDH tome as "providências cabíveis para o enfrentamento a essa questão que claramente se mostra como uma afronta aos Direitos Humanos".

Em nota, o Carrefour disse que considerou a morte "brutal" e disse que "adotará as medidas cabíveis para responsabilizar os envolvidos". Afirmou também que vai romper o contrato com a empresa responsável pelos seguranças e que o funcionário que estava no comando da loja durante o crime "será desligado". O grupo disse ainda que a loja será fechada em respeito à vítima e que dará o "suporte necessário" à família da vítima.

Veja também:

Homem fica ferido ao ser agredido com banqueta durante discussão no Brasmadeira
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade