4 eventos ao vivo

Saiba como escolher bacalhau e peixe fresco para o período da Páscoa

Bacalhau verdadeiro tem postas altas e cor de palha; pescados não podem ter odor forte

16 abr 2019
19h56
  • separator
  • comentários

Comprar bacalhau ou peixes frescos para o período de Páscoa já é uma tradição, mas é preciso ficar atento à qualidade dos produtos para evitar o consumo de pescado impróprio ou de levar peixe salgado vendido como bacalhau. Após a compra, também é importante tomar cuidados com o alimento para evitar contaminação.

Segundo a Coordenadoria de Vigilância em Saúde (Covisa), órgão da Secretaria Municipal da Saúde, há dois tipos de bacalhau que são mais consumidos no Brasil: o Porto (Cod Gadus Morthua) e o Portinho (Cod Gadus Macrocephalus).

"Os nomes devem, obrigatoriamente, constar da embalagem (bandejas), além das seguintes informações: estabelecimento de origem (nome e endereço), peso líquido, data da embalagem, prazo de validade, forma de conservação, informação nutricional e preço", informa o órgão. A identificação e o preço devem estar visíveis na venda a granel.

"O bacalhau verdadeiro tem uma posta mais alta, com três ou quatro dedos de altura", explica Maria Fernanda Vischi D'Ottavio, nutricionista do Check-up HCor, serviço do Hospital do Coração (HCor).

O produto original também tem cor de palha, rabo quase reto, pele que se solta com facilidade e corpo largo, de acordo com a Covisa. Também é mais caro.

O órgão recomenda que os compradores fiquem atentos a mudanças na coloração, pois elas podem indicar que o bacalhau - ou o peixe salgado - não está próprio para consumo.

A carne com manchas avermelhadas está infectada por bactérias que sobrevivem em altas concentrações de sal. Elas causam odor desagradável. Manchas de cor marrom acinzentado ou com fina camada de pó branco indicam presença de fungos.

"Manchas amarelo-alaranjadas ou marrons indicam que as gorduras estão rançosas, causando odor e sabor desagradáveis. Aspecto melado, viscoso, amarelado indica que o produto está em processo de decomposição", ensina a Covisa.

No caso da compra de peixe fresco, observar as condições do produto e do local onde ele está sendo comercializado é fundamental.

"Independentemente do tipo de pescado, não pode estar com o cheiro forte. Sempre ver o armazenamento do peixe, se está refrigerado e se o gelo está limpo. Também tem de observar os cuidados do peixeiro de não falar em cima do produto e usar um instrumento para pegar o produto", recomenda Maria Fernanda.

A nutricionista diz que as pessoas podem levar uma sacola térmica para fazer o transporte do peixe.

Cuidados em casa

Os cuidados com os pescados devem continuar após a compra. "A pessoa não deve deixar o peixe exposto em temperatura ambiente. Deve-se armazenar sob refrigeração até a cocção. Outra recomendação é utilizar tábua higienizada para o preparo."

Para dessalgar o bacalhau, segundo a Covisa, o ideal é fazer o processo com água potável, sob refrigeração a 5 °C, ou por meio de fervura.

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade