PUBLICIDADE

Roubos crescem 14,9% no Estado de SP em abril, mas ainda ficam abaixo do nível pré-pandemia

Dados divulgados nesta quarta-feira, 25, indicam que houve 19,2 mil ocorrências de roubos em abril, ante 20,8 mil no mesmo período de 2019; governo criou operação para coibir crimes contra o patrimônio

25 mai 2022 17h54
| atualizado às 21h26
ver comentários
Publicidade

SÃO PAULO - Os roubos cresceram 14,9% em abril no Estado de São Paulo na comparação com o mesmo mês do ano passado. Já os furtos subiram 37,8%, segundo dados da Secretaria de Segurança Pública (SSP). O cenário mantém a tendência de alta apresentada no 1º trimestre deste ano, mas os indicadores seguem abaixo ou em patamar similar aos números apresentados no período pré-pandemia.

Dados divulgados pela SSP nesta quarta-feira, 25, apontam que houve 19.215 registros de roubo no Estado em abril, ante 16.722 no mesmo período do ano passado - alta de 14,9%. No mesmo mês de 2019, foram 20.780 ocorrências, total 7,53% maior do que o índice deste ano.

Os furtos, por sua vez, passaram de 32.479, no ano passado, para 44.760, em 2022 - crescimento de 37,8%. Em abril de 2019, último ano pré-pandemia, o índice estava em 44.604, praticamente o mesmo patamar de atualmente. O comportamento dos crimes no 1º semestre de 2021 foi influenciado pela piora da pandemia, quando foram retomadas restrições ao isolamento social. Esse é um dos pontos que ajudam a explicar o aumento percentual das ocorrências.

Ainda assim, a alta neste ano tem preocupado a população - sobretudo por conta dos roubos de smartphones. Segundo dados da SSP, dois terços dos roubos registrados em abril deste ano (ou 65,44% do total) envolveram celulares, ante 61,86% no mesmo período do ano passado.

Com os aparelhos em mãos, quadrilhas especializadas conseguem desviar dinheiro por transferências via Pix, ferramenta de pagamento instantâneo, e multiplicam os prejuízos das vítimas. Diante desse cenário, moradores da capital paulista têm até mesmo adotado aparelhos reservas para diminuir os riscos.

Governo lançou operação para coibir crimes

O governo de São Paulo trocou recentemente os comandos das polícias Civil e Militar e, na tentativa de dar respostas à alta de roubos e furtos,lançou neste mês a Operação Sufoco, cujo objetivo é coibir os chamados crimes contra o patrimônio.

"Bandido que levantar a arma para a polícia vai levar bala", disse o governador Rodrigo Garcia (PSDB) no lançamento da operação. Pré-candidato à reeleição, Garcia tem como um dos adversários o ex-ministro Tarcísio de Freitas (Republicanos), apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), que tem como bandeira a postura "linha dura" contra bandidos.

Na comparação com 2021, houve aumento de 3,5% no número de vítimas de homicídio em abril deste ano, que foram de 229 para 237, e de 23% nos registros de latrocínios durante o período, que subiram de 13 para 16. No mesmo mês de 2019, foram 262 vítimas de homicídio (número 9,5% superior ao atual) e 16 ocorrências de latrocínio - ficando em um mesmo patamar que o de hoje.

No fim do mês passado, um estudante de 20 anos foi morto em um latrocínio no Jabaquara, zona sul paulistana, cometido por um falso entregador de delivery. O crime, que resultou de uma tentativa de roubo, chamou atenção para a gravidade de problemas de segurança pública no Estado. O jovem estava com a namorada e chegou a se ajoelhar diante do assaltante.

"Crimes de roubo estão muito perto de virarem latrocínio. Eles (assaltantes) já têm o armamento, a intenção, e vai ter a vítima, a parte mais frágil desse crime de roubo", declarou o novo chefe da PM, coronel Ronaldo Vieira, durante cerimônia de posse neste mês.

Procurada, a Secretaria de Segurança Pública informou alguns dos resultados obtidos pela Operação Sufoco, que tem como um dos focos coibir ações criminosos dos chamados falsos entregadores. Para isso, a iniciativa previa praticamente dobrar o efetivo policial na cidade de São Paulo.

Conforme balanço da SSP, a operação já apreendeu 139 armas de fogo, 14 armas brancas e 6,1 mil automóveis e motos. Foram recuperados, no total, 340 veículos que haviam sido roubados ou furtados. O tráfico de drogas também tem sido um dos focos: de 4 a 24 de maio, quando a operação já estava em vigor, a polícia apreendeu 13,3 toneladas de drogas neste mês. Nos mesmos dias do mês passado, foram 2,3 toneladas.

Roubos subiram 17,5% na capital paulista

Na capital paulista, os roubos cresceram 17,5% em abril deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado: o indicador foi de 9,4 mil para 11 mil. No mesmo mês em 2019, foram 11,1 mil ocorrências, patamar similar ao de agora.

Enquanto isso, os furtos subiram de 11,9 mil, no ano passado, para 18,4 mil, neste ano. Os números representam alta de 54,8%. Ainda assim, na comparação com 2019, o patamar é semelhante ao de agora - foram 18,7 mil registros na ocasião.

Levantamento feito pelo Estadão com base em dados da Secretaria de Segurança Pública aponta que os roubos cresceram mais nas áreas centrais e bairros nobres da cidade de São Paulo no 1º trimestre. Na comparação com o mesmo período de 2021, o registro do crime nesses locais mais do que dobrou em Campos Elísios, Consolação, Itaim Bibi e Pinheiros.

Embora a capital seja o foco da resposta do governo, parte das cidades da região metropolitana, do litoral e do interior têm taxas de aumento de roubos no 1º trimestre até maiores do que São Paulo.

No caso das vítimas de homicídios, houve queda de 19% na capital. Os registros foram de 58, no ano passado, para 47. Em abril de 2019, foram 59 registros, índice similar ao do ano passado. Em abril deste ano, ao mesmo tempo, foram registrados 4 latrocínios na cidade de São Paulo, mesma quantidade do mesmo período do ano passado. Em 2019, foram 3.

Estadão
Publicidade
Publicidade