0

Réveillon da Av. Paulista terá fogos sem barulho pela 1ª vez

Rojões com estampido foram vetados em respeito à lei da Câmara Municipal, aprovada neste ano, que é alvo de contestação judicial

4 dez 2018
21h41
atualizado em 5/12/2018 às 13h23
  • separator
  • comentários

A Prefeitura de São Paulo anunciou nesta terça-feira, 4, que a queima de fogos durante os shows de réveillon na Avenida Paulista, no centro, usará apenas artifícios de efeito visual, sem estampido. Os rojões com barulho não serão usados em respeito à Lei Municipal 16.897/18, aprovada pela Câmara Municipal neste ano, que proíbe fogos na capital.

Foto: Leonardo Benassatto / Futura Press

A gestão Bruno Covas (PSDB), entretanto, ainda não tem detalhes da festa: questionada pelo Estado, não informou qual empresa fará o espetáculo visual, quanto ela custará, como será contratada nem se essa modalidade seria mais cara ou mais barata do que os fogos de artifício comuns.

A proibição é para uso, manuseio, queima e soltura. O objetivo da regra é proteger idosos, crianças, pessoas e deficiência, que podem ter mal-estar diante dos barulhos. Mas o apoio maior à mudança veio de grupos de defesa dos animais, uma vez que cães, principalmente, se assustam com o estouro dos artefatos. 

Embora tenha sido votada e sancionada neste ano, a legislação não está valendo. Mesmo com a derrubada, em setembro, de uma  decisão liminar do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), que anulou os efeitos da lei, atendendo a pedido do Sindicato das Indústrias de Explosivos do Estado de Minas Gerais (SindiEMG), a proposta ainda não foi regulamentada pela administração municipal, o que impede a fiscalização. 

O sindicato havia ingressado com Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin), argumentando que há leis estaduais e federais regulamentando os fogos de artifício e a legislação municipal não poderia passar por cima delas. O tema também é debatido em outras cidades. A lei ainda não foi regulamentada. 

A Prefeitura não divulgou ainda qual será a programação dos shows na Paulista.

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade