PUBLICIDADE

Polícia do Rio Grande do Norte investiga caso de agressão com 'elementos de tortura'

Imagens mostram homem com braços e pernas amarrados enquanto é insultado e espancado

14 set 2021 19h54
| atualizado às 22h35
ver comentários
Publicidade

NATAL - A Polícia Civil do Rio Grande do Norte está investigando o caso de um homem que foi espancado e amarrado no último final de semana em Portalegre, município do Oeste do Rio Grande do Norte. De acordo com a delegada-geral, Ana Cláudia Saraiva, há elementos de tortura nas imagens, registradas no último sábado, 11, mas que só viralizaram nesta semana nas redes sociais.

A Polícia apura, ainda, se a vítima é de uma comunidade quilombola local. "As imagens são chocantes. O crime será apurado e, a princípio, se vê elementos de tortura", afirma a delegada, que acrescenta que o caso será investigado pela Delegacia de Pau dos Ferros, onde a ocorrência foi aberta pelo suposto agressor, que alegou que a vítima teria "jogado pedras em seu estabelecimento".

Imagem mostra homem amarrado quando foi agredido no chão
Imagem mostra homem amarrado quando foi agredido no chão
Foto: Reprodução / Estadão

No vídeo, é possível ver que o homem está com braços e pernas amarrados enquanto é insultado e agredido. O suspeito da ação aparece nas imagens é um comerciante local que já foi denunciado em junho deste ano pelo crime de injúria racial. O caso está em tramitação judicial.

A governadora Fátima Bezerra (PT) determinou "apuração imediata e rigorosa do caso" pela Polícia Civil e Secretaria de Segurança. "O Governo do RN não será conivente e não compactuará com manifestações de discriminação, intolerância, ódio e abusos de quaisquer naturezas", afirmou.

Procurado pela reportagem, o suspeito alega que foi ameaçado de morte e que a vítima atirou pedras em seu comércio. "Eu (estava) num momento de fúria, de raiva, nunca tinha passado por isso. Hoje, estou arrependido. Por ter sido ameaçado, exagerei. Reconheço isso. Estou assustado com a repercussão nas redes sociais. Perdi o controle", afirmou.

Estadão
Publicidade
Publicidade