1 evento ao vivo

Moradores de Paraisópolis e parentes de vítimas realizam protesto

Caminhada seguiu da comunidade até o Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista. Integrantes do ato cobraram esclarecimento célere e responsabilização pelas mortes

4 dez 2019
21h17
atualizado às 22h44
  • separator
  • 0
  • comentários

SÃO PAULO - Moradores de Paraisópolis e parentes das vítimas pisoteadas durante a dispersão da Polícia Militar a um baile funk no fim de semana passado realizaram uma manifestação na tarde desta quarta-feira, 4. Centenas de pessoas participaram da caminhada, que seguiu da comunidade ao Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, na zona sul da capital. No caminho, os integrantes do ato pediram apuração célere do caso e responsabilização para quem causou as mortes ou contribuiu para que elas acontecessem.

Parentes carregaram fotos e usaram camisas com imagens de algumas das vítimas. Fernanda Santos, irmã de Dennys Guilherme dos Santos Franca, uma das vítimas do fim de semana passado, cobrou respostas para o caso. "A única coisa que nos restou fazer foi enterrar o corpo, pois não deram satisfação de nada. Quem está investigando sou eu. A única coisa que quero no momento, nada vai trazer de volta, mas quero justiça", disse.

O caso está sendo investigado pela Corregedoria da Polícia Militar e pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil. Seis policiais que atuaram em Paraisópolis foram afastados para atuarem somente em serviços administrativos.

Nesta quarta-feira, 4, ao comentar a ocorrência, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, disse que, aparentemente, houve um excesso. "Nesse caso em São Paulo, com todo respeito à Polícia Militar do Estado de São Paulo, realmente é uma corporação de qualidade, elogiada no País inteiro, aparentemente houve lá um excesso, um erro operacional grave que resultou na morte de algumas pessoas. Mas em nenhum momento ali existe uma situação de legítima defesa", disse Moro.

O governo de São Paulo informou, em nota, que o governador João Doria recebeu familiares das vítimas e líderes comunitários de Paraisópolis na noite de quarta. No encontro, que durou duas horas, o governador "ouviu relatos de duas mães que perderam seus filhos e reiterou o compromisso de rigor e transparência em relação a investigação das mortes ocorridas na madrugada de domingo".

Um novo encontro foi marcado para a próxima segunda-feira, 9, no Palácio dos Bandeirantes, e deverá contar com a presença do governador e de familiares das nove vítimas.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade