PUBLICIDADE

Morador que aluga no Baixo Augusta tem renda média de R$ 7,3 mil, diz plataforma

De acordo com levantamento da imobiliária Quinto Andar, a média de idade dos locatários é de 32 a 34 anos. O preço do metro quadrado do aluguel é de R$ 42,43, 20% acima da média da cidade

6 dez 2021 02h02
| atualizado às 09h29
ver comentários
Publicidade

Tanto para venda quanto aluguel, os valores pagos por imóveis no Baixo Augusta - região paulistana que passa por valorização nos últimos anos - são mais altos do que na média da cidade de São Paulo. A renda média mensal do morador locatário é de R$ 7,3 mil, por exemplo, segundo levantamento da plataforma imobiliária Quinto Andar, feito a pedido do Estadão, com dados de anúncios e contratos assinados em um raio de um quilômetro do Parque Augusta.

A procura é principalmente de jovens adultos. De acordo com os dados da plataforma, a média de idade dos locatários é de 32 a 34 anos. Do total, 83% declararam ser solteiros, quase 65% afirmaram morar sozinhos e 40% têm de 25 a 30 anos, conforme a Quinto Andar.

O preço do metro quadrado do aluguel é de R$ 42,43, o que fica 20% acima da média da cidade, de R$ 35,43. Com uma oferta majoritária de apartamentos de até um quarto (76%), o aluguel médio no entorno é de R$ 1,9 mil (sem incluir condomínio e taxas), mas há opções até mesmo na casa dos R$ 7 mil.

No caso de compra, a média é de R$ 9,4 mil o metro quadrado, acima da municipal, de R$ 7,3 mil. O preço mediano de um apartamento sai, portanto, por cerca de R$ 450 mil, valor que pode ultrapassar os R$ 2 milhões em unidades novas e de maior dimensão.

Na última década, as cinco primeiras quadras da Rua Augusta ganharam ao menos 15 condomínios fechados, segundo levantamento do Estadão com base em dados de licenciamento urbano da Prefeitura. A proximidade dos imóveis com o parque, recém-inaugurado, estações de metrô e a Avenida Paulista é lembrada nos anúncios dos empreendimentos.

Grande parte dos novos edifícios é de quitinetes (os chamados "studios") e apartamentos de um dormitório, embora também haja opções com dois e três quartos. A maioria oferece serviços e espaços de lazer interno, desde os mais usuais (como lavanderia e academia) a mais diversificados, como piscina aquecida, cinema, spa, concierge e até mesmo vestiário no subsolo exclusivo para diaristas.

Estadão
Publicidade
Publicidade