3 eventos ao vivo

Morador de Paraisópolis mostra vídeo com agressões da PM

Vídeo de 25 segundos viralizou e mostra ação da Policia na madrugada de domingo, 1. Moradores relatam truculência dos policiais

2 dez 2019
23h59
atualizado em 3/12/2019 às 08h39
  • separator
  • 0
  • comentários

Espiando por uma fenda da janela, Cláudio Silva (nome fictício) diz ter visto todo o tumulto no baile funk. Frequentador de Paraisópolis, ele relata que sacou o celular e começou a gravar a cena. Na rua, viam-se pessoas gritando e correndo desesperadas. As que caíram ficaram feridas ou morreram pisoteadas. Também via os PMs durante a ação. Segundo Silva, a versão relatada pelos agentes é falsa. "Os policiais já chegaram atirando", afirma.

Sob condição de anonimato, Silva diz ter sido responsável por gravar um vídeo de 25 segundos que viralizou pouco tempo depois da ação da PM em Paraisópolis. As imagens mostram um policial apontando uma arma longa e realizando disparos, enquanto um colega diz para as pessoas irem embora dali. A ação se dá na Rua Ernest Renan, onde acontece o Baile Dz7, o pancadão que era alvo da ação.

O Estado conversou com ele nesta segunda-feira, 2, à tarde e constatou que o local da entrevista era o mesmo de onde as imagens haviam sido feitas. No momento da gravação, a rua surge esvaziada e alguns poucos correm, tentando escapar das agressões dos policiais. No fim da gravação, uma mulher anda por uma calçada e é atingida por um golpe de cassetete no braço, mesmo não tendo aparentado qualquer reação agressiva ao que acontecia. Ao contrário: ela parecia tentar fugir da confusão formada.

Dupla suspeita foi perseguida até o baile funk, diz versão da PM

Foto: José Barbosa / Futura Press

Conforme a versão oficial, duas pessoas em uma moto teriam atirado contra uma guarnição da PM e depois tentado se esconder no baile funk. Os tiros teriam assustado os frequentadores que, na correria, acabaram caindo e sendo pisoteados.

Silva, no entanto, diz que não foi isso que aconteceu - os próprios PMs teriam cercado os frequentadores do baile e dado início ao tumulto. "Ninguém viu essa moto", afirma.

Outros moradores ouvidos também refutam a narrativa da PM - nas ruas de Paraisópolis, a tragédia era o assunto mais comentado nesta segunda. O comércio na Ernest Renan, entretanto, funcionou normalmente.

Ainda de acordo com os relatos, as vítimas ficaram empilhadas em duas vielas, localizadas uma perto da outra, e foram socorridas por viaturas. No boletim de ocorrência, os PMs alegaram demora do Samu.

Um desses becos começa com uma série de degraus, onde as pessoas teriam tropeçado. Em alguns pontos das vielas, a passagem tem menos de 1 metro de largura. Também há portões instalados na área - como se o quadrilátero formasse uma espécie de condomínio. "A gente fecha para que o pessoal do pancadão não incomode", diz uma moradora.

'As pessoas começaram a forçar para entrar na minha casa'

Outro morador, que está em Paraisópolis há 40 anos, diz ter testemunhado o episódio. "Ouvi a correria e as pessoas começaram a forçar para entrar na minha casa", conta. Na porta, há marca de chutes e respingos de sangue. "Quando eu abri, havia um jovem agonizando bem na frente. Nunca tinha visto nada parecido antes."

No domingo, após a tragédia, o tenente-coronel Emerson Massera, porta-voz da PM, afirmou que todos os vídeos recebidos seriam analisados durante a investigação para saber se houve excesso por parte dos policiais. Segundo ele, ainda não seria possível dizer se essas imagens eram verdadeiras.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade