PUBLICIDADE

Homicídio sobe em quase metade das médias e grandes cidades de São Paulo em 2020

Análise do Instituto Sou da Paz detalha alta nos assassinatos, indicador que subiu pela primeira vez em sete anos em 2020. Secretaria da Segurança Pública diz reforçar atuação em áreas mais críticas

22 abr 2021
0comentários
Publicidade

O sargento Fábio Henrique Neves buscava um suspeito na zona rural de Cruzeiro, cidade a 230 quilômetros da capital paulista, em direção ao Rio, quando foi baleado. Aos 48 anos, 27 deles dedicados à Polícia Militar, o policial pai de cinco filhos recebeu atendimento na Santa Casa da cidade, mas não resistiu e morreu. O autor do disparo, contra quem já havia um mandado de prisão a ser cumprido por um crime anterior, foi perseguido e morto em confronto na mesma ocorrência, segundo a PM.

A morte do sargento Neves aconteceu em 13 de junho de 2020 e foi um dos crimes que mais chamou atenção em uma região do Estado onde os indicadores de violência se destacam negativamente. A cidade de Cruzeiro, com seus 82 mil habitantes, tem os maiores indicadores de homicídio do Estado, em números proporcionais. E a região de São José dos Campos representa a área onde esses crimes ocorrem com mais frequência, em casos não raramente relacionados à presença do tráfico de drogas e do crime organizado.

Uma análise feita pelo Instituto Sou da Paz, e divulgada nesta quinta-feira, 22, com exclusividade pelo Estadão, mostra que a quantidade de assassinatos registrados em 2020 cresceu em seis das 12 grandes regiões de São Paulo. O aumento foi sentido em quase metade (48,2%) das médias e grandes cidades paulistas. Em outras duas grandes áreas, o indicador permaneceu estável e em quatro regiões os registros de crimes de homicídio doloso e latrocínio (roubo seguido de morte) tiveram queda.

A análise identifica com maior clareza as áreas mais problemáticas do Estado, cujo indicador geral de homicídios em 2020 teve a primeira alta (4,1%) após sete anos seguidos de queda. O Sou da Paz, por meio do Índice de Exposição à Criminalidade Violenta (IECV), observa os indicadores registrados em cidades com mais de 50 mil habitantes, assim como nas chamadas grandes regiões por meio dos Departamentos de Polícia do Interior (Deinter). O crescimento nos registros chama a atenção em um ano marcado pelos efeitos da pandemia de covid-19.

O mais recente dado do IECV Vida, que leva em consideração registros proporcionais de homicídios e latrocínios, mostra aumento desses crimes em metade dos Deinter. A alta mais acentuada (28,5%) ocorreu no Deinter 4, com sede em Bauru. Na sede, por exemplo, os 27 homicídios do ano passado fizeram com que a cidade retornasse a um patamar de violência que não era visto desde 2015. Em 2019, aconteceram 16 casos.

A alta nas mortes nas grandes regiões se repetiu nas áreas de Piracicaba (23,3%), Araçatuba (11,5%), São José dos Campos (10,7%), São José do Rio Preto (6,8%) e na área policial da Grande São Paulo (12%). Os registros permaneceram estáveis ou com leve alta na capital e em Sorocaba. Os números caíram nas regiões de Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Santos e Campinas. A área de São José dos Campos, que já era considerada a mais violenta, manteve o posto em 2020 e viu os números piorarem.

A diretora-executiva do Sou da Paz, Carolina Ricardo, cobra uma análise mais aprofundada do governo paulista sobre a motivação dos homicídios. "O que a gente consegue dizer, a partir da análise de estudiosos, é que é possível que tenha havido um aumento da violência interpessoal [conflitos que não decorrem do crime organizado nem da disputa pelo tráfico, por exemplo] a partir dos tensionamentos gerados pela pandemia, que pode ter sido um catalisador desses conflitos", disse.

Ela afirma que não dá para deixar de observar as dinâmicas do crime organizado, em um ano que o prejuízo econômico foi generalizado. "Logo, o uso de força para acertar contas pode estar presente. É preciso um chamamento às autoridades para que cada um dos homicídios tenha a resposta devida e se entenda o que estava por trás. Não podemos permitir que a tendência de alta se consolide", acrescentou.

Os pesquisadores identificaram uma recorrência nos municípios mais expostos à violência, ou seja, locais onde ano após ano os indicadores continuam a apontar registros elevados. Os especialistas veem aí uma dificuldade de se romper ciclos de violência, destacando a necessidade de adoção de variadas ações e fazem um conjunto de sugestões direcionadas aos gestores públicos.

A diretora-executiva destaca dois desses pontos: o controle de armas e a investigação dos casos. "O fácil acesso a armas e baixa resposta do Estado gerando impunidade são dois fatores importantes no aumento de mortes. Observar os municípios onde essa estatística tem mais crescido pode levar a um trabalho específico, seja de patrulhamento para retirar armas de circulação, seja com uma equipe especializada para esclarecer homicídios e não deixar nenhum deles sem resposta. A partir daí, a chance de redução é grande."

Secretário diz que segurança em áreas críticas é reforçada

O secretário executivo da Polícia Militar de São Paulo, coronel Alvaro Batista Camilo, disse que o governo trabalha para reforçar as áreas mais críticas do Estado. Na visão do oficial, a alta dos homicídios se deve aos crimes interpessoais, aqueles praticados entre pessoas conhecidas por razões distintas da motivação relacionada ao crime organizado, por exemplo.

Sobre a área de São José dos Campos, que tem as taxas mais elevadas do Estado, Camilo vê relação com a presença de grandes rodovias, como a Via Dutra, o que proporciona um grande fluxo entre Estados vizinhos. Essa estrutura atrairia a presença de criminosos pela facilidade de fuga, segundo explica o secretário.

Contra as taxas em alta, Camilo diz que o Estado tem investido na instalação de batalhões especializados da PM, os Baeps, e em delegacias especializadas da Polícia Civil, os DEICs. "Há um trabalho muito forte das polícias no combate ao crime. Temos a expectativa de que os indicadores voltem rapidamente a cair e estamos trabalhando para que isso aconteça", disse.

Camilo destaca que o Estado permanece tendo a menor taxa de homicídios por 100 mil habitantes entre todos os Estados do País. A taxa em 2020 ficou em 6,5 homicídios por 100 mil. "É de longe a melhor do Brasil. Estamos estacionados, com aumento em um lugar ou em outro, e desviamos esforços para essas regiões. Ainda há espaço para queda desse indicador com mais investimentos em inteligência e tecnologia, como estamos fazendo."

Estadão
Publicidade
Publicidade