PUBLICIDADE
AO VIVO
'Paris É Delas': expectativas para os jogos crescem e veto da mãe de Rayssa Leal gera debate

Empresário que atirou contra carro na Castello Branco é preso

Adriano Domingues da Costa foi detido e cumprirá prisão temporária na Cadeia de Capão Bonito; advogado alega que disparos foram feitos depois de perseguição na rodovia

19 jun 2024 - 21h10
Compartilhar
Exibir comentários

O empresário Adriano Domingues da Costa, que foi filmado atirando contra o carro de um casal na Rodovia Castello Branco, após um desentendimento no trânsito, foi preso pela Polícia Militar nesta quarta, 19, na cidade de Alumínio, interior de São Paulo. O episódio aconteceu na última sexta, 14, e Costa estava foragido desde domingo, 16.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP-SP), o caso foi registrado como captura de procurado pela Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Itapetininga. Costa ficará detido na Cadeia de Capão Bonito, onde cumprirá a prisão temporária.

Ainda conforme a pasta, a polícia vai ouvir a esposa de Costa, que o acompanhava durante a confusão - ela também aparece nas imagens feitas pelas vítimas. E diz, em nota, que aguarda a conclusão dos laudos periciais "para análise e conclusão da investigação".

A arma, o carro e o passaporte do empresário já tinham sido entregues à polícia, após a Justiça expedir um mandado de prisão temporária contra o suspeito.

De acordo com o advogado de Adriano, Luiz Carlos Tucho Valsecchi, o empresário se apresentou à delegacia de Itapetininga "espontaneamente", nesta quarta, e prestou depoimento antes de ser detido.

Ele alega que o seu cliente efetuou os disparos depois de ser perseguido pelo veículo das vítimas, e que elas teriam batido contra o seu carro, no qual estavam sete pessoas. "O laudo da concessionária (responsável pela rodovia) vai mostrar a verdade", diz Valsecchi.

O caso

Adriano Domingues da Costa se envolveu em uma briga com Gabrielle Gimenez e William Isidoro na última sexta-feira, na rodovia Castello Branco. Uma batida entre os veículos teria levado os condutores a estacionarem os respectivos carros em um acostamento em dois momentos.

Em uma primeira cena, o casal grava o empresário saindo do seu veículo e caminhando em direção ao carro das vítimas. Ele saca uma arma e desfere uma coronhada contra janela do automóvel.

Na sequência, em um segundo registro, o suspeito é flagrado dando cinco tiros contra o automóvel de Gabrielle e William. Foram quatro disparos na direção do pneu e outro contra o vidro, que é blindado.

William Isidoro e Gabrielle Gimenez chegaram a postar os vídeos nas redes sociais (veja abaixo). Nas imagens, é possível ver Gabrielle conversando com uma mulher por meio do canal do 190, no qual ela usa para denunciar o que está acontecendo e para pedir uma viatura. Enquanto ela fala ao telefone, Adriano efetua os disparos contra o carro.

Na versão da defesa de Costa, o empresário estaria reagindo a uma provocação feita pelo casal. De acordo com Valsecchi, advogado do suspeito, o casal que sofreu os disparos teria jogado o carro contra Adriano depois que o empresário tentou fazer uma ultrapassagem.

A defesa alega ainda que William e Gabrielle teriam perseguido o empresário e mostrado uma arma para Costa, o que é negado pelo casal.

"(Adriano) foi perseguido por um automóvel. Na tentativa de uma ultrapassagem, houve uma colisão, Após os disparos (feitos pelo empresário), o veículo (do casal) voltou a perseguir meu cliente e estourou a cancela de um pedágio", diz Valsecchi. "O carro tinha sete pessoas e quase capotou com a batida que as supostas vítimas causaram."

Ele diz ainda que o casal não registrou o boletim de ocorrência, e que o delegado deve pedir laudo da estrada e também dos veículos. Ele alega que, a depender da blindagem do carro do casal, Adriano não poderia ser acusado de tentativa de homicídio.

"Na medida que o vidro é totalmente resistente para receber os disparos na arma de fogo, estamos diante de crime impossível. Assim, nem a tentativa (de homicídio) existiria", disse o advogado.

Nas redes sociais, William e Gabrielle, sentados ao lado da advogada Nayara Souza, apresentaram as suas versões. Eles negam as acusações feitas pela defesa de Adriano e afirmam que estavam sem arma no momento da confusão.

"A gente não estava perseguindo de forma alguma. Ele estava vindo em alta velocidade, colidiu, a gente pediu para ele encostar e aconteceu o que aconteceu", disse Gabrielle Gimenez, que ocupava o banco de passageiro.

Ela relata que as gravações ocorreram em momentos distintos. Na primeira parada, o homem teria sacado a arma e dado uma coronhada na janela do carro. Na segunda parada, quando Gabrielle acionava a Polícia Militar por telefone, o suspeito teria efetuado os disparos

Já o condutor, William Isidoro, que se identifica como instrutor de tiro, nega que estivesse armado na ocasião e que a informação foi averiguada até por policiais militares.

"Eu sou instrutor de tiro, a gente conhece toda legislação vigente, sabemos que no momento não era possível estar armado. A gente não estava armado, isso foi constatado pela polícia na hora que a gente parou no posto", disse ele.

Adriano Domingues da Costa está foragido após atirar contra veículo na Rodovia Castelo Branco
Adriano Domingues da Costa está foragido após atirar contra veículo na Rodovia Castelo Branco
Foto: Reprodução/gabimgimenez no Instagram / Estadão
Estadão
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade