0

Cemitério clandestino com quatro corpos amarrados é achado

Vítimas estavam vendadas, amordaçadas e amarradas, indicando que tiveram mortes violentas

30 jul 2019
09h21
atualizado às 10h41
  • separator
  • 0
  • comentários

SOROCABA - Funcionários da empresa responsável pela distribuição de água encontraram um cemitério clandestino com quatro corpos, na tarde desta segunda-feira, 29, em Jundiaí, interior de São Paulo. Os trabalhadores escavaram o local na tentativa de localizar um vazamento quando encontraram o primeiro cadáver.

Guardas municipais escavam o local onde foram encontradas valas com quatro corpos, no bairro Engordadouro, em Jundiaí, interior de São Paulo
Guardas municipais escavam o local onde foram encontradas valas com quatro corpos, no bairro Engordadouro, em Jundiaí, interior de São Paulo
Foto: Guarda Municipal/Divulgação / Estadão Conteúdo

A Guarda Municipal foi acionada e os agentes acabaram localizando uma segunda cova com outros três corpos, todos de homens. As vítimas estavam vendadas, amordaçadas e amarradas, indicando que tiveram mortes violentas.

As valas estavam próximas do rio Jundiaí, no bairro Engordadouro, na periferia da cidade. Acionado, o Corpo de Bombeiros fez a retirada dos cadáveres e os encaminhou para o Instituto Médico Legal (IML). Até a manhã desta terça-feira, 30, os corpos não tinham sido identificados. A Polícia Civil usará o banco de dados de pessoas desaparecidas para tentar identificar as pessoas que foram enterradas no local. Três dos corpos tinham tatuagens que também podem ajudar na identificação das vítimas.

A região já foi ponto de desova de cadáveres. Uma das hipóteses é de que os homens possam ter sido vítimas de um 'tribunal do crime' - julgamento sumário adotado por facções criminosas, como o Primeiro Comando da Capital (PCC). O encontro dos cadáveres foi registrado no 2.o Distrito Policial. Nesta terça, a polícia voltará a vasculhar a área para se assegurar de que não há outros corpos enterrados no local.

Veja também

Criança sobe em esteira e vai parar no setor de cargas de aeroporto; veja

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade