0

Casal é preso por manter idosa em cativeiro por 20 anos

Família de Iva da Silva de Souza, do Paraná, havia dado queixa à polícia em razão do seu desaparecimento, no fim da década de 90

25 jun 2019
11h59
atualizado às 12h04
  • separator
  • comentários

Um casal foi preso na no fim da noite de segunda-feira, 24, em Vinhedo, interior de São Paulo, após ser acusado de manter uma idosa em cativeiro durante ao menos 20 anos, segundo a Polícia Civil. A vítima, Iva da Silva de Souza, de 63 anos, trabalhava como cuidadora sem receber pagamento e era mantida isolada em dois cômodos, na casa dos suspeitos, no bairro João XXIII, sem poder fazer contato com outras pessoas.

A família dela, da cidade de Colorado, no Paraná, havia dado queixa à polícia em razão do seu desaparecimento, no fim da década de 90, mas a mulher nunca foi encontrada.

Écio Pilli Júnior, de 47 anos, e Marina Okido, de 65 anos, são presos por manter idosa em cativeiro durante 20 anos em Vinhedo, no interior de SP
Écio Pilli Júnior, de 47 anos, e Marina Okido, de 65 anos, são presos por manter idosa em cativeiro durante 20 anos em Vinhedo, no interior de SP
Foto: Polícia Civil/ Divulgação / Estadão Conteúdo

Conforme a polícia, Écio Pilli Júnior, de 47 anos, e Marina Okido, de 65 anos, usaram os documentos da vítima para abrir conta em banco e emitia cheques sem fundos em nome dela. Os golpes no comércio levaram a Polícia Militar à casa dos suspeitos de estelionato. Quando os policiais abordaram o casal, a vítima pediu ajuda. O casal tentou disfarçar a situação, que pareceu estranha aos policiais. A vítima foi levada à delegacia da Polícia Civil e contou que era obrigada a cuidar da mãe de Marina, uma idosa de 88 anos, em troca apenas de alimentação.

A vítima contou ter sido trazida ainda jovem do Paraná pelos pais de Marina para trabalhar como doméstica deles, mas depois passou a ser empregada do casal. Além de cuidar da mãe de Marina, desde que esta se tornou idosa, ela também fazia as tarefas de casa e acabou submetida à situação análoga à de escravidão. Ela contou que, por várias vezes, foi agredida pelo casal e impedida de sair de casa. Iva não podia se comunicar com a família por carta ou telefone. Os dois retiveram seus documentos pessoais e os usavam para aplicar golpes no comércio.

O casal foi indiciado em inquéritos por estelionato, tortura e cárcere privado. A vítima foi encaminhada para um abrigo municipal. A polícia tenta contatar os familiares dela no Paraná. A investigação também vai apurar se outras pessoas sabiam da situação da vítima e acobertaram o caso. A mãe de Marina, que era cuidada por Iva, foi encontrada debilitada e doente. Ela foi encaminhada para a Santa Casa de Vinhedo e permanecia internada na manhã desta terça-feira, 25.

Veja também:

 

Estadão
  • separator
  • comentários
publicidade