0

Ações da Taurus sobem com fila de pedidos de fuzil para civis

Fabricante de armas informou que mais de 2 mil pessoas esperam para adquirir fuzil T4

21 mai 2019
18h13
  • separator
  • 5
  • comentários

As ações da fabricante de armas Taurus operam em forte alta nesta terça-feira, 21, após a empresa informar que o decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro no início do mês vai permitir o acesso da população a fuzis. Em nota, a fabricante diz que está esperando apenas a regulamentação do decreto - publicado no último dia 8 - para atender aos pedidos de mais de dois mil clientes que estão na fila para aquisição do fuzil T4 semiautomático, de calibre 5,56.

"A Taurus informa que, tão logo a regulamentação do decreto nº 9.785 entre em vigor no País, imediatamente atenderá seus clientes, em até três dias após o cumprimento das exigências legais e administrativas", disse a empresa em nota. Há pouco, os papéis da Forja Taurus ON subiam 5,13% enquanto as ações PN tinham valorização de 5,56%.

No dia 8 de maio, governo federal publicou o que facilita o porte de armas de fogo para uma série de categorias de profissionais e não só para caçadores, atiradores esportivos, colecionadores (CACs) e praças das Forças Armadas, como foi destacado pelo governo. O texto também aumentou o limite da energia cinética das armas permitidas para 1.620 joules; a Taurus diz que a energia cinética do seu T4 é de 1.320 joules. Portanto, dentro da faixa permitida. Em seu site, a empresa apresenta a arma como "ideal para o uso militar e policial".

Ao Estado, a Casa Civil,ligada ao Palácio do Planalto, disse que o decreto não enquadra o fuzil T4 como arma de uso permitido. Segundo o órgão, a arma "é de uso restrito e, por isso, o cidadão comum não consegue adquiri-la". "A informação não procede", declarou.

O decreto do presidente é contestado pelo Ministério Público Federal na Justiça Federal e por dois partidos no Supremo Tribunal Federal (STF). Nesta terça, 14 governadores assinaram uma carta em que criticam o decreto e pedem sua "imediata revogação".

Estadão
  • separator
  • 5
  • comentários
publicidade